Riem de nós, os próprios espíritas, chamando-nos de ignorantes porque nosso Centro se chama Centro KARDECISTA Os Essênios. Dizem que o termo kardecismo não existe, porque bastaria dizer Centro ESPÍRITA Os Essênios que estaríamos perfeitamente identificados.

Os que assim pensam, não enxergam além do próprio umbigo e não convivem fora da sua instituição com o leigo que não sabe que os termos ESPIRITISMO e ESPÍRITA, foram criados por Allan Kardec para diferenciar de ESPIRITUALISMO e ESPIRITUALISTA, que já existiam à época do Codificador.

Para confirmar o que declaramos, vejam as pérolas que encontramos na Internet:

“Todo aquele que crê nas manifestações dos espíritos é espírita; ora, o umbandista nelas crê, logo o umbandista é espírita”.

Daí existirem a Congregação Espírita Umbandista do Brasil, a Irmandade Espírita de Umbanda São Jorge de Santo André-SP, a Tenda Espírita de Umbanda São Cosme e Damião – Jundiaí SP e milhares de Centros de Umbanda que acrescentam a palavra espírita em vez de espiritualista ou simplesmente nenhuma. Por que não Congregação Umbandista do Brasil, Irmandade de Umbanda São Jorge e Tenda de Umbanda São Cosme e Damião?

Daí, quando se avizinha um novo censo e o nosso movimento se mobiliza para que respondamos ESPÍRITA no quesito religião, para saber efetivamente quantos somos, constatamos que será perda de tempo e palavras. Se respondêssemos kardecista, talvez ficaríamos sabendo o tamanho do movimento espírita no Brasil. Mas com o volume de umbandistas e praticantes de outras seitas afrobrasileiras considerando-se espíritas, vamos nos iludir imaginando que somos muitos. Não somos não, porque há muito mais umbandista do que espírita.

Em nosso livro Pontos de Vista de 1996, Editora O Clarim, no capítulo 48, Na Defesa de Um Ideal, já dizíamos que toda instituição que segue as orientação de Kardec deveria mencionar em baixo do nome entre parêntesis INSTITUIÇÃO KARDECISTA. Isto serviria para que o público leigo não tivesse dúvida onde está entrando. Se ele quer um centro de umbanda ou um centro espírita. Mas eles nos acham ridículos por ter essas idéias esdrúxulas. Vamos pensando que somos milhares de milhões de adeptos do Espiritismo, mas no fim a maioria é praticante dos rituais de terreiro. Nada contra eles, mas eles são eles e nós somos nós. Quem quiser rir de nós que ria. Um dia tirarão a venda dos olhos e verão com uma clareza que ainda não conseguem. São os doutores da Lei a que se referia Jesus, grassando no movimento espírita. 

E ponto final.