O Homem ante a Vida

Deixe um comentário

No crepúsculo da civilização em que rumamos para a alvorada de novos milênios, o homem que amadureceu o raciocínio supera as fronteiras da inteligência comum e acorda, dentro de si mesmo, com interrogativas que lhe incendeiam o coração.

Quem somos?

Donde viemos?

Onde a estação de nossos destinos ?

À margem da senda em que jornadeia, surgem os escuros estilhaços dos ídolos mentirosos que ado­rou e, enquanto sensações de cansaço lhe assomam à alma enfermiça, o anseio da vida superior lhe agita os recessos do ser, qual braseiro vivo do ideal, sob a espessa camada de cinzas do desencanto.

Recorre à sabedoria e examina o microcosmo em que sonha. 

Reconhece a estreiteza do círculo em que respira.

Observa as dimensões diminutas do Lar Cós­mico em que se desenvolve.

Descobre que o Sol, sustentáculo de Sua apagada residência planetária, tem um volume de 1.300.000 vezes maior que o dela.

 Aprende que a Lua, insignificante satélite do seu domicílio, dista mais de 380.000 quilômetros do mundo que lhe serve de berço.

Os Planetas vizinhos evolucionam muito longe, no espaço imenso. Dentre eles, destaca-se Marte, distante de nós cerca de 56.000.000 de quilômetros na época de sua maior aproximação.

Alongando as perquirições, além do nosso Sol, analisa outros centros de vida.

Sírius ofusca-lhe a grandeza.

Pólux, a imponente estrela dos Gêmeos, eclip­sa-o em majestade.

Capela é 5.800 vezes maior.

Antares apresenta o volume de 113 mihões maior.

Canópus tem um brilho oitenta mil vezes superior ao do Sol.

Deslumbrado, apercebe-se de que não existe vácuo, de que a vida é patrimônio da gota d’água, tanto quanto é a essência dos incomensuráveis sis­temas siderais, e, assombrado ante o esplendor do Universo, o homem que empreende a laboriosa ta­refa do descobrimento de si mesmo volta-se para o chão a que se imanta e pede ao amor que res­ponda à soberania cósmica, dentro da mesma nota de grandeza, todavia, o amor no ambiente em que ele vive é ainda qual planta milagrosa em tenro desabrochar.

Confinado ao reduzido agrupamento consanguíneo a que se ajusta ou compondo a equipe de interesses passageiros a que provisoriamente se enquadra, sofre a inquietação do ciúme, da cobiça, do egoísmo, da dor. Não sabe dar sem receber, não consegue ajudar sem reclamar e, criando o choque da exigência para os outros, recolhe dos outros os choques sempre renovados da incompreensão e da discórdia, com raras possibilidades de auxiliar e auxiliar-se.

Viu a Majestade Divina nos Céus e identifica em si mesmo a pobreza infinita da Terra.

Tem o cérebro inflamado de glória e o coração invadido de sombra.

Orgulha-se, ante os espetáculos magnificentes do Alto e padece a miséria de baixo.

Deseja comunicar aos outros quanto apreendeu e sentiu na contemplação da vida ilimitada, mas não encontra ouvidos que o entendam.

Repara que o Amor, na Terra é ainda a alegria dos oásis fechados.

E, partindo os elos que o prendem à estreita família do mundo, o homem que desperta para a grandeza da Criação, deambula na Terra à maneira .do viajante incompreendido e desajustado, peregrino sem pátria e sem lar, a sentir-se grão infinitesimal de poeira nos Domínios Celestiais.

Nesse homem, porém, alarga-se a acústica da alma e, embora os sofrimentos que o afligem, é sobre ele que as Inteligências Superiores estão edi­ficando os fundamentos espirituais da Nova Humanidade.

Livro Roteiro-Capítulo 1 – 10/06/1952

Curiosidades sobre o Dr. Zerbini

6 Comentários

O mais célebre cirurgião de transplantes do coração do país narra a sua experiência com fatos espíritas. Dois Espíritos de médicos assistiram uma de suas primeiras cirurgias. Ele conta como o caso aconteceu, há mais de 40 anos.
O autor desta matéria solicitou ao dr. Zerbini a devida autorização para a publicação desse eloqüente e incontestável depoimento, que vem enriquecer a literatura espírita. O doutor e professor Eurycledes de Jesus Zerbini, na sua última visita à cidade de Pindamonhangaba, SP, para proferir na Santa Casa local uma de suas eruditas palestras sobre cardiopatias e cirurgias cardíacas, num bate-papo com o autor deste comentário, mostrou-se adepto do niilismo, em face da sua incompreensão a respeito do trágico acidente que vitimou o seu filho Eduardo, médico, quando há quase quinze anos antes este procurava socorrer uma senhora, em dificuldades com o seu veículo, no elevado da Praça 14-BIS, em São Paulo. Com argumentos da Lei de Causa e Efeito, procuramos dissuadir o eminente professor Zerbini daquela idéia fixa de responsabilizar Deus, pelo acontecido.

– Mas como vou aceitar esse Deus que você diz ser de amor, de bondade e de perfeição, se ele me deu uma implacável paulada na cabeça, tirando de mim um filho querido, que seria o meu sucessor na área médica, um moço bom, dedicado, que tinha um grande futuro e no momento fatídico do desastre, praticava uma louvável ação?

Daí, a conversa prolongou-se. De um lado, argumentos aparentemente lógicos e até certo ponto convincentes e de outro, argumentos racionais, fundamentados numa fé esclarecida, raciocinada e que não dava azo a sofismas. A conversa se estendeu sem que chegássemos a um acordo, tal a relutância do emérito cirurgião em defender o seu ponto de vista.

No dia 10 de outubro, estivemos em São Paulo, levando ao professor Zerbini o livro “O Céu e o Inferno”, de Allan Kardec, que trata da Justiça Divina, para que os argumentos contidos naquela obra se não rompessem a incompreensão do ilustre cientista, pelo menos, abassem o seu ateísmo.

Mais uma vez tivemos a ventura de desfrutar de útil e oportuno diálogo com tão ilustrada personalidade, a qual, na sua peculiar cordialidade e lhaneza, nos convidou a sentar ao seu lado, junto à sua mesa e, abrindo o livro que lhe ofertamos, foi logo dizendo:

“Allan Kardec foi um grande pensador…” passando então a nos narrar um fato interessantíssimo:

Ele era ainda bem moço, médico recém-formado, precisamente nos últimos anos da década de 1930 entre os anos de 1938 e 1940 e trabalhava no consultório do dr. Alípio Corrêa Neto, à Rua Marconi, 94, em São Paulo, Capital. Certo dia, eis que adentra ao consultório um senhor de meia idade, apresentando-se como diretor da revista espírita “A Centelha”.

Dizia o consulente que no Centro Espírita onde ele freqüentava, um Espírito havia lhe dito que ele deveria passar por uma cirurgia de hérnia na virilha. O Espírito o advertiu de que no ato operatório o paciente não poderia ser submetido à anestesia tradicional, mas que procurasse, naquela rua, um consultório médico, onde um facultativo, o dr. Zerbini, havia descoberto um novo processo de anestesia (Protóxido de azoto) que seria naturalmente benéfico e indicado para o seu caso.

Todavia, o jovem médico, dr. Zerbini, na sua tão pronunciada humildade, alegou ao consulente que ele era recém-formado e não dispunha de muita prática para realizar a cirurgia solicitada. Mas o paciente insistiu tanto que o dr. Zerbini acabou por aquiescer ao pedido, embora procurasse argumentar que havia outros cirurgiões de fama, que melhor poderiam atender ao insistente pedido do paciente.

Marcado o dia da intervenção e outros detalhes, o paciente tinha um pedido especial a fazer: que na sala de cirurgia fosse permitida a presença de uma senhora (naturalmente uma médium) que deveria ali permanecer devidamente concentrada, orando.

Diz o dr. Zerbini com certa graça:

– Naquele tempo não existia muito rigor em se tratando de assepsia e nem se falava em infecção hospitalar e a presença da senhora foi permitida.

No dia aprazado, no horário estabelecido, iniciou-se a cirurgia e o dr. Zerbini, atento à delicada intervenção, esqueceu-se por completo da presença estranha daquela mulher. Após o ato cirúrgico, desenvolvido com pleno êxito, o dr. Zerbini lembrou-se da senhora e voltando a ela disse-lhe:

– Desculpe-me, até esqueci-me da senhora. Por acaso a senhora viu ou notou alguma coisa?

A dita senhora acenou afirmativamente e respondeu:

– Vi sim senhor. Dois Espíritos de médicos à sua retaguarda conversavam sobre o sucesso da cirurgia e comentavam o método usado de anestesia.

Dr. Zerbini, curioso, desejando obter maiores informações a respeito do inusitado fato, perguntou à médium:

– A senhora poderia me dizer os nomes deles?

– Sim – respondeu a senhora – Um diz chamar-se Batista e o outro, Werneck.

O fato singular é que esses dois médicos desencarnados, quando na vida física, haviam escrito em parceria, uma obra intitulada: Semiologia Cirúrgica, volume que permanecia na mesa do dr. Alípio Corrêa Neto e que era por ele consultada quase que diariamente.

Os dois médicos eram: dr. Fábio Leoni Werneck, entomólogo, médico e farmacêutico pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro. Trabalhou no Instituto Oswaldo Cruz, tendo publicado trabalhos sobre insetos e dr. João Benjamim Batista, médico, professor de técnica operatória e medicina experimental da Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro.

(Aníbal Leite de Abreu, Jornal Espírita, S.Paulo, SP, 05/92)
(artigo transcrito do “Anuário Espírita 1993”, pág. 85)

O Livro

Deixe um comentário

Ei-lo! Facho de amor, que redivivo, assoma
Desde a taba feroz em folhas de granito,                                          
Da Índia misteriosa e dos louros do Egito                            
Ao fausto senhoril de Cartago e de Roma!

Vaso revelador do mais excelso aroma
Do pensamento a erguer-se esplêndido e bendito,
O Livro é o coração do tempo no Infinito,
Em que a ideia imortal se renova e retoma.

Companheiro fiel da virtude e da História,
Guia das gerações da vida transitória,
É o nume apostolar que governa o destino;

Com Hermes e Moisés, com Zoroastro e Buda,
Pensa, corrige, ensina, experimenta, estuda,
E Brilha com Jesus no Evangelho Divino.

Olavo Bilac – Psicografado por Chico Xavier

Newer Entries