Radiações ou vibrações

Deixe um comentário

Parecer do Dr. Bezerra de Menezes

“A transcendência do trabalho foge ao vosso alcance, pois, às vezes, não desejais vislumbrar mais longe, ou vos acomodais na condição de simples expectadores dos fatos.
Atraídos para tal realização na seara espiritualista, estão ao vosso lado centenas de núcleos espirituais orientados diretamente por Ismael, preposto de Jesus no Brasil.
É imprescindível, pois, que em cada um de vós haja a dedicação devida para que possamos desenvolver paulatinamente este serviço, dando-lhe maior amplitude que trará, por certo, conseqüências benéficas para vós e principalmente para o campo espiritual, onde as vibrações serão aproveitadas ao máximo.
Este trabalho de vibrações realiza-se no espaço da seguinte forma:
Os necessitados são divididos em quatro grupos distintos, a saber:
I Grupo – Doentes que sofrem enfermidades graves ;
II Grupo – Doentes cujos estados não apresentam gravidade, mas requerem alívio imediato;
III Grupo – Doentes afligidos por males psíquicos;
IV Grupo – Lares que demandam pacificação e ajustamentos.
Para esses grupos são destacados quatro companheiros que exercem função de orientadores e que têm a seu cargo, conforme as exigências do momento, dois, três ou quatro mil colaboradores.
Cada  um desses orientadores recebem a lista dos irmãos a serem beneficiados e respectivos endereços, os quais são atendidos individualmente. Temos, então, como vemos um amigo espiritual para cada necessitado.
Às 18 horas esses milhares de servidores espirituais já estão a postos no recinto, impregnando a própria atmosfera de elementos sutis e bênçãos renovadoras.
Após as 19 horas inicia-se o ingresso dos irmãos encarnados e à porta da entrada é destacada para cada um deles uma entidade espiritual que o acompanha até o seu lugar.
Ao ouvir-se a prece é que o trabalho é considerado iniciado e no momento em que vossas almas se elevam junto à prece, caem sobre vós em abundância elementos curadores e confortadores que o irmão encarnado retém em maior ou menor quantidade, conforme a receptividade.
Iniciam-se então as vibrações que possuem, como já sabeis, cor, perfume e densidade e que são recolhidas em receptáculos distribuídos pelo salão.
O amigo espiritual que vos acompanha estabelece convosco uma corrente, mantendo-a em contato mútuo e constante, até os receptáculos que vão se enchendo e iluminando rapidamente ou não, conforme a capacidade vibratória de cada um.
Em seguida entram em ação os trabalhadores dos quatro grupos já citados; exercendo seu mister de conformidade com a necessidade, retiram do receptáculo a quantidade de elemento que precisam para suas tarefas, segundo o grupo a que pertencem.
A seguir afastam-se para o cumprimento de suas obrigações.
Entram, após, grandes grupos formados de 600 a 800 amigos espirituais para as vibrações coletivas, durante as quais vibram também convosco os irmãos desencarnados que vos acompanham desde o início.
O que vemos, então, é um espetáculo  grandioso; todo o ambiente se reveste de imensa luz e, ao vibrarem, os vossos pequeninos corações fazem o papel de um refletor e, então, iluminando e riscando o espaço vemos luzes das mais variadas tonalidades e intensidade e esses grupos de irmãos, com os braços estendidos para vós, recebem o presente carinhoso do vosso coração para ser levado aos mais distantes setores da Terra, enquanto que ao serem enumeradas as Fraternidades, já então de regresso de suas tarefas, perfilam-se os Espíritos à vossa frente, envolvendo-vos na carícia do Amor Fraternal.
Por fim, quando o espírito destacado para a exortação evangélica encerra o trabalho, das  esferas mais altas jorram sobre vós as bênçãos do Amor do Pai e aos vos retirardes, apesar de muito terem dado os vossos organismos físicos, retornais ao lar saturados de elementos revitalizadores em  muito mais quantidade do que aquela despendida por vós.
Tudo isso, queridos irmãos, no pequeno espaço de tempo em que privais conosco nesse trabalho  dignificante quem são as radiações.

 

 

 

 

 

Éspiritismo y homosexualidad

Deixe um comentário

 traducción Maria Renee San  Martin – relu2521@yahoo.com

 Porque estamos reencarnados en este sexo? Por si a caso no lo es.

 

Octávio Caumo Serrano [caumo@caumo.com]

Traducción Maria Renee San Martin – relu2521@yahoo.com

 

 

Según la legislación brasileña, todo preconcepto es crimen y puede ser punido hasta con prisión. Contra razas, religiones, capacidades especiales o contra los homosexuales. Sin ambargo, la penalización y los argumentos de respeto al prójimo, no surten los efectos necesarios, porque no son convincentes o suficientes.

Se alega que todos tienen su libre albedrio para escoger que les conviene, incluso ejercen su opción sexual. Sin embargo, el uso del libre albedrio no torna una cosa cierta. El criminal también hace lo que desea y, en tanto, es punido.

Si, simplemente, prohibir, resuelve el problema, nadie hablaría por el celular, cuando esta al volante, ni cruzaría irresponsablemente un automóvil al otro, impidiendo el transito, aun mas, ni quitaría la vida a su prójimo.

Solamente una doctrina como el Espiritismo puede modificar el entendimiento de las personas, llamándolos a respetar el derecho del otro, porque está basada en las vidas sucesivas con correlación entre ellas. La homosexualidad, que es lo que aquí nos cabe estudiar, puede tener implicaciones en el pasado de la criatura, vividas en otras encarnaciones.

Podemos socorrernos en ciertos libros que nos enseñan las razones de ser una persona homosexual, sin dejar de ponderar que hay personas que la ejercen por intereses otros, cuando podrían ser coherentes con el sexo actual, si no fuese mal intencionadas. La prostitución, por ejemplo. Pero hablemos de los problemas nacidos del pasado.

En “El libro de los Espíritus”, preguntas200 a202, está dicho que el espíritu no tiene sexo como entendemos, y lo que animo el cuerpo de un hombre puede en una nueva encarnación, venir como mujer y vice-versa, por que le importa más las pruebas a las que se tenga que someter y trabajos a realizar. Ya que debemos progresar en todo, hay progresos que hacemos como masculinos y otros, como femeninos. “el espíritu que siempre fuese hombre solo sabría lo que saben los hombres”, explican aun.

La psicología americana, Helen   Wambach, autora del libro “Vida antes dela Vida” librería Freitas Bastos, título original “Life Before Life”, que fue publicado también por la editora Pensamiento con el nombre “Recordando Vidas Pasadas”, hizo una investigación basada en regresión  a las vidas pasadas, declarando nada entender de espiritualidad, pero teniendo  por principio el libro del Dr. Raymond Moody, igualmente americano, que escribió “Vida después dela Vida” del titulo original  “Life After Life”- ¿Si vamos hacia algún lugar, cuando morimos, no habríamos venido de algún lugar, cuando nacemos?, fue  la indagación básica de la investigadora.

Después de haber experimentado con 750 personas en grupos de 50, de costa a costa americana, tuvo respuestas para sus preguntas básicas: tu pediste para nacer, tu conocía a tus padres, porque opto por nacer en esta época, tu escogiste tu sexo?

Cuando a este ítem, aun en la explicación inicial, relata un caso investigado. Dice el paciente: “si escogí el sexo porque habría sido hombre en la vida anterior, cuando conocí a mi padre, mi mamá habría sido una amiga muy querida en la misma existencia en que mi padre me habría chicoteado, en su actividad de carcelero. No capte impresiones de compañeros o amantes de vidas pasadas, pero quedó claro que mi hermano mantiene conmigo el mismo parentesco de la vida anterior”.

Ella concluye que el 80% optaron por nacer de nuevo, aun que apenas 28% se sentían entusiasmados por estar nuevamente vivos y habían hecho planes cuidadosamente. Muchos declaran que vinieron para aprender sobre el amor y la compasión. Pero, lo que más sorprendió a la doctora es que no había cualquier preconcepto en cuanto al sexo de la nueva vida. Hubo los que pretendían nacer en un sexo, pero, por tareas con otros espíritus, aceptaron nacer en otro y no perder la oportunidad de volver luego, porque este es un momento de grandes revelaciones para la humanidad “una transición histórica de la vida religiosa para la científica espiritual”. Muchos hicieron esa afirmación.

Ella no se mostro familiarizada con el Espiritismo y dice mismo que ese tipo de asunto nunca mereció mucha atención de su parte. Todavía, su investigación confirmo toda la orientación espirita.

En el libro “Vida y Sexo”, de Emmanuel, por psicografado por Chico Xavier, la lección 21, trata exactamente de la homosexualidad, con análisis de la pregunta 202, de “El libro de los Espíritus”. Dice al orientador que la comunión afectiva entre personas del mismo sexo no encuentra explicación fundamental en los estudios psicológicos, pues trata del asunto en bases materialistas. Por eso que en el libro “El Consolador” dice que, si los psicólogos, psiquiatras y psicoanalistas, mas allá de juzgar los traumas por el consciente e inconsciente llevasen en cuenta las vidas pasadas tendrían más éxito.

Explica Emmanuel que tales ocurrencias vienen aumentando con el propio desenvolvimiento de la humanidad y hoy encontramos ese relacionamiento en todos los países del mundo. “Normalidad o anormalidad no se identifica por simples señales morfológicas”.  Como los espíritus pasan por gran número de encarnaciones, hay espíritus más acentuadamente masculinos y femeninos, sin definición absoluta. Por eso, en el tránsito de la individualidad, la experiencia masculina para  la femenina o vice versa al llegar al cuerpo, demostrara fatalmente los trazos de masculinidad en que estará estacionado por muchos siglos, a pesar de estar en un cuerpo femenino o mismo con relación a mujer en idénticas condiciones.

Quien es el que debe hacer este tipo de experiencia y que muchas veces no lo logra? Respuesta: “el hombre que abuso de las facultades genésicas, arruinando las existencias de otras personas con la destrucción de hogares y que es inducido a buscar nueva posición en el renacimiento físico en un cuerpo morfológicamente femenino, para aprender, en régimen de prisión, a reajustar los propios sentimientos; la mujer que actuó de igual modo es impulsada a reencarnar en un cuerpo morfológicamente masculino para fines idénticos”.

Hay aún, “en muchos otros casos, espíritus que, cultos y sensibles, aspirando realizar tareas especificas en la elevación de grupos humanos y, por consecuencia en la elevación de sí mismos, ruegan a los Instructores dela Vida Mayorque los asistan en la propia internación en el campo físico, en vestimenta carnal opuesta a la estructura psicológica por la cual transitoriamente se definen. Viven temporalmente ocultos en la armadura carnal con que se garantizan contra caídas irreversibles en el mundo afectivo, de manera que perseveran sin mayor dificultades en los objetivos que abrazan”. En este caso, no es prueba ni expiación, sino una misión y de las más nobles y difíciles. 

Luego, nunca es posible saber si el homosexual rescata algo por mal uso del sexo en el pasado, o si vino en esas condiciones por un gesto de amor para hacer por el prójimo mucho más de lo que habitualmente hacemos. Sea una u otra la razón, nos cabe  respetarlo y ayudarlo como debemos hacer con cualquier criatura. Y cuidar, nosotros mismos, para no caer en ese difícil campo de experiencia, que es la sexualidad, para no tener que rescatar algo en  encarnación futura.

Cuando el Espiritismo sea popularizado y las personas tuvieran y vivieran ese conocimiento habrá más posibilidad que los preconceptos acaben y habrá más respeto por los homosexuales y por aquellos que portan cualquier imperfección física o moral, o aun por los que son de otra raza o religión, porque nadie es señor de la verdad ni pueden tirar la primera piedra; es algo peligroso que puede malograr el futuro.

Pues, al fin de todo somos hermanos, cada uno en su grado de entendimiento y evolución.

 

Espiritismo e homossexualidade

Deixe um comentário

Segundo a legislação brasileira, todo preconceito é crime e pode ser punido até com prisão. Contra raças, religiões, deficientes físicos ou contra os homossexuais. Todavia, a penalização e os argumentos de respeito ao próximo não surtem os efeitos necessários, porque não são convincentes o suficiente.

As alegações são que todos têm seu livre-arbítrio para a escolha do que lhes convêm, inclusive exercer a sua opção sexual. Mas o uso do livre-arbítrio não torna uma coisa certa. O criminoso também faz o que deseja e, no entanto, é punido.

Se simplesmente proibir resolvesse o problema, ninguém falaria ao celular quando ao volante, nem fecharia cruzamentos, atravancando o trânsito, ainda mais, nem tiraria a vida do próximo.Somente uma doutrina como o Espiritismo pode modificar o entendimento das pessoas, conclamando-as a respeitar o direito do outro, porque está baseada nas vidas sucessivas com correlação entre elas.

A homossexualidade, que é o que aqui nos cabe estudar, pode ter implicações no passado da criatura, vividas em outras encarnações.Podemos nos socorrer de certos livros que nos ensinam as razões de uma pessoa ser homossexual, sem deixar de ponderar que há pessoas que a exercem por interesses outros, quando poderiam ser coerentes com o sexo atual, se não fossem mal intencionadas. A prostituição, por exemplo. Mas falemos dos problemas nascidos do passado.

Em “O Livro dos Espíritos”, questão 200 a 202, está dito que o espírito não tem sexo, como entendemos, e o que animou o corpo de um homem pode, numa nova encarnação, vir como mulher e vice-versa, porque isso pouco lhe importa, contando mais as provas a que tenha de se submeter e trabalhos a realizar. Já que devemos progredir em tudo, há progressos que fazemos como masculinos e outros, como femininos. “O espírito que sempre fosse homem só saberia o que sabem os homens”, explica ainda.

A psicóloga americana, Helen Wambach, autora do livro “Vida Antes da Vida”, Livraria Freitas Bastos, título original “Life Before Life”, que foi publicado também pela Editora Pensamento com o nome “Recordando Vidas Passadas”, fez uma pesquisa baseada em regressão a vidas passadas, declarando nada entender de espiritualidade, mas tendo por princípio o livro do Dr. Raymond Moody, igualmente americano, que escreveu “Vida depois da Vida”, título estrangeiro “Life After Life”, – Se vamos para algum lugar, quando morremos, não teríamos vindo de algum lugar, quando nascemos?, foi a indagação básica da pesquisadora.

Depois de fazer experiências com 750 pessoas em grupos de 50, costa a costa americana, teve respostas para as suas perguntas básicas: você pediu para nascer, você conhecia seus pais, porque optou por nascer nesta época, você escolheu o seu sexo? Quanto a este item, ainda na explicação inicial, relata um caso pesquisado. Diz o paciente: “Sim, escolhi o sexo porque tinha sido homem na vida anterior, quando conheci meu pai. Minha mãe tinha sido uma amiga querida, na mesma existência em que meu pai tinha me chicoteado, na sua atividade de carcereiro. Não captei impressões de companheiros ou amantes de vidas passadas, mas ficou claro que meu irmão mantém comigo o mesmo parentesco da vida anterior”.

Ela concluiu que 80% optaram por nascer de novo, embora apenas 28% sentiam-se entusiasmados por estar novamente vivos e tinham feito planos cuidadosamente. Muitos declararam que vieram para aprender sobre amor e compaixão. Mas, o que mais surpreendeu a doutora é que não havia qualquer preconceito quanto ao sexo da nova vida. Houve mesmo os que pretendiam nascer num sexo, mas, por tarefas com outros espíritos, aceitaram nascer no outro e não perder a oportunidade de voltar logo, porque este é o momento de grandes revelações para a humanidade, “uma transição histórica da vida religiosa para a científica espiritual”.

Muitos fizeram afirmações como essa.Ela não se mostrou familiarizada com o Espiritismo e diz mesmo que esse tipo de assunto nunca mereceu muita atenção de sua parte. Todavia, a sua pesquisa confirmou toda a orientação espírita.

No livro “Vida e Sexo”, de Emmanuel, pela pena de Chico Xavier, a lição 21 trata exatamente da homossexualidade, com análise da questão 202, de “O Livro dos Espíritos”. Diz o orientador que a comunhão afetiva entre pessoas do mesmo sexo não encontra explicação fundamental nos estudos psicológicos, pois tratam do assunto em bases materialistas. Por isso é que no livro “O Consolador” ele diz que se os psicólogos, psiquiatras e psicanalistas, além de julgar os traumas pelo consciente, subconsciente e superconsciente, levassem em conta as vidas passadas, teriam mais sucesso. Perguntas 44 e seguintes.

Explica Emmanuel que tais ocorrências vêm aumentando com o próprio desenvolvimento da humanidade e hoje encontramos esse relacionamento em todos os países do mundo. “Normalidade ou anormalidade não se identificam por simples sinais morfológicos.”Como os espíritos passam por grande número de encarnações, há espíritos mais acentuadamente masculinos ou femininos, sem definição absoluta. Em face disso, no trânsito da individualidade, da experiência masculina para a feminina ou vice-versa, ao chegar ao corpo, demonstrará fatalmente os traços de masculinidade em que terá estagiado por muitos séculos, apesar de estar num corpo feminino, o mesmo se dando em relação à mulher em idênticas condições.

Quem é o que deve fazer esse tipo de experiência e que muitas vezes não se dá bem? Resposta: “O homem que abusou das faculdades genésicas, arruinando a existência de outras pessoas com a destruição de lares e que é induzido a buscar nova posição no renascimento físico, num corpo morfologicamente feminino, para aprender, em regime de prisão, a reajustar os próprios sentimentos; a mulher que agiu de igual modo é impulsionada à reencarnação em corpo morfologicamente masculino para fins idênticos.”

Há, ainda, “em muitos outros casos, Espíritos que, cultos e sensíveis, aspirando realizar tarefas específicas na elevação de agrupamentos humanos e, por consequência, na elevação de si próprios, rogam aos Instrutores da Vida Maior que os assistem na própria internação no campo físico, em vestimenta carnal oposta à estrutura psicológica pela qual transitoriamente se definem. Vivem temporariamente ocultos na armadura carnal com que se garantem contra arrastamentos irreversíveis, no mundo afetivo, de maneira a perseverarem sem maiores dificuldades nos objetivos que abraçam.” Neste caso, não é prova nem expiação, mas uma missão e das mais nobres e difíceis.

Logo, nunca é possível saber se o homossexual resgata algo por mau uso do sexo no passado, ou se veio nessas condições por um gesto de amor para fazer pelo próximo muito mais do que habitualmente fazemos. Seja uma ou outra a razão, cabe-nos respeitá-lo e ajudá-lo como devemos fazer com qualquer outra criatura. E cuidar, nós mesmos, para não cairmos nesse difícil campo de experiência, que é a sexualidade, para não termos o que resgatar numa encarnação futura.

Quando o Espiritismo for popularizado, e as pessoas tiverem e viverem esse conhecimento, haverá mais possibilidade de os preconceitos acabarem e haver mais respeito pelos homossexuais ou por aqueles que portam qualquer imperfeição física ou moral ou, ainda, pelos que são de outras raças ou religiões, porque ninguém é senhor da verdade nem pode atirar a primeira pedra; é algo perigoso que pode nos atingir no futuro. Afinal somos todos irmãos, cada um no seu grau de entendimento e evolução. 

 RIE – REVISTA INTERNACIONAL DE ESPIRITISMO – AGOSTO DE 2011