Octávio Caúmo Serrano

Quem deve freqüentar um Centro?

Há no movimento espírita uma afirmação que de cada cem pessoas, noventa e nove chegam ao Espiritismo pela dor e uma pelo amor. Por que isso acontece?

A principal explicação, que felizmente está se modificando, é que o Espiritismo deve ser procurado para a solução de dificuldades. Por isso ele recebe pessoas de todas as doutrinas que quase sempre têm o cuidado de declinar sua crença para que fique bem claro que não desejam se tornar espíritas. Foram ali só para resolver “problemas”.

É dos maiores equívocos cometidos pelos seres humanos. Assim como os médicos sugerem cada vez mais que devemos nos socorrer da medicina preventiva para detectar males já desde o início (profilaxia da mama, da próstata, entre outros.), porque são mais fáceis de ser combatidos, assim é com o Espiritismo que deveria receber as pessoas para que elas aprendessem como enfrentar suas dificuldades enquanto são menores porque é preferível impedir que uma doença nos atinja a ter de curá-la depois de instalada. Só o conhecimento a respeito dos planos de Deus pode levar-nos a modificar comportamentos que nos conduzem ao sofrimento.

Quando chegamos no Centro Espírita doentes do físico e da alma, envolvidos com espíritos inferiores e escravos de remédios da farmacologia humana, só pensamos em levar nosso pacote de problemas e entregar aos Espíritos Benfeitores para que nos livrem dele. Mas a proposta da encarnação não é essa. Renascemos no mundo para lutar contra os maus pendores para sair daqui melhor do que chegamos. É lícito pedir ajuda porque o próprio Jesus Cristo já nos ensinou que se pedirmos obteremos e se batermos a porta se abre para nós. Mas ele também disse “faz para que o Céu te ajude”. Ou seja, sem o nosso esforço e boa vontade não há Espírito que consiga nos ajudar porque o nosso livre-arbítrio é soberano e é sempre respeitado.

Deus deu às aves do campo o alimento; mas elas precisam buscá-lo com seu esforço, deslocando-se para muitos lugares e descobrindo onde está o tipo de comida que precisam segundo a sua natureza. O mesmo se dá com os homens. O mundo tem de tudo, mas depende do esforço de cada um conquistar o que precisa.

Muitas pessoas que estão a caminho de estados depressivos poderiam reverter esses quadros se ouvissem e praticassem um pouco do Evangelho e não se esquecessem da oração diária e do agradecimento pela vida. Muitos sintomas de doenças já estão no perispírito e não são detectados por aparelhagem porque ainda não chegaram ao corpo. Mas se não forem combatidos pela mudança de pensamento e comportamento logo se instalarão na carne e aí será mais difícil vencê-las.

Não espere ter problemas para depois ir ao Centro Espírita. Vá ao Centro Espírita para não ter problemas. É muito melhor e mais agradável.

Jornal O Clarim – janeiro de 2012