Octávio Caúmo Serrano
Podemos usar esta expressão de espanto para analisar as conversas sem sentido que envolvem as previsões de que o mundo vai acabar. Que mundo? A Terra apenas ou os demais planetas também? Ou seria o Universo?
É de pasmar a falta de serviço que envolve certas pessoas, inclusive no meio espírita, que as levam a este tipo de assunto completamente inútil. Mesmo porque se o mundo fosse acabar Deus não daria aviso prévio. E mesmo que desse, que opções teríamos para nos livrar da catástrofe?
O mundo acaba todos os dias para os humanos que deixam a matéria e ignoram a continuidade da vida, até que se vejam diante da eternidade, entre surpresos e desesperados pelos erros cometidos e que terão de corrigir.
De quando em quando vem alguém com a novidade. Geralmente, com a intenção de vender alguma coisa, nem que seja espaço de jornal, revista, rádio ou TV. Ao longo da história isso já se repetiu. Só recentemente, em 1938, Assis Valente compôs e Carmem Miranda interpretou “E o mundo não se acabou” e agora no terceiro milênio a história se repetiu até chegar no boato atual do fim do mundo de 2012. Ora é Nostradamus, ora são os maias, os videntes e sabe-se lá quem mais; e o fim do mundo continua sendo adiado. Sem contar o famoso “1000 verás; a 2000 não chegarás.” Claro ninguém vive mil anos numa encarnação.
Se estiverem falando da Terra, é um planeta novo, com apenas 4,5 bilhões de anos, que caminha para um estado mais feliz, já que de mundo de provas e expiações está se transformando em mundo de regeneração. A mão de obra para criá-la e vê-la chegar ao estado atual, depois de ciclos e ciclos de aprimoramento, durante tanto tempo, não iria contemplá-la com o desperdício de uma explosão sem utilidade para ninguém. Há muito que melhorar para qualificá-la a receber uma humanidade mais avançada do que a atual. Para os que são desonestos, o fim do mundo seria conveniente para que não tivessem de encarar o juízo final que segundo o Espiritismo é o juízo parcial, ao fim de cada encarnação, porque depois começa tudo novamente.
Só uma humanidade atrasada como esta nossa da Terra para envolver-se com polêmica tão inútil e sem sentido. Jamais alguém irá saber quando o mundo vai acabar. Sem dúvida, acontecerá um dia porque tudo tem começo, meio e fim. A Terra não é exceção. Antes disso, todavia, muita coisa ainda vai acontecer o que durará bilhões e bilhões de anos. Talvez trilhões. Quem imagina que não vai precisar mais trabalhar porque o mundo vai acabar, vai se decepcionar. Tudo vai continuar como está e cada um deve seguir na luta pelo seu aprimoramento porque senão o seu mundo particular pode sim acabar e em condições terríveis; a estação de desembarque poderá ser nas zonas umbráticas da espiritualidade onde só há choro e ranger de dentes.
Deus não é sádico nem faz ameaças ou terrorismo. Quando o próprio Jesus recomendou que João Evangelista fosse levado ao futuro para ver o caos a que foi conduzida a humanidade, tinha por finalidade advertir que se mudarmos o mundo hoje alteraremos o seu futuro. Os homens não precisariam sofrer tanto se fossem menos imprevidentes. Colhemos o fruto do nosso plantio; uma verdade que ninguém duvida.
Em frente minha gente porque o mundo não vai acabar tão cedo. E em 2012 é que não vai mesmo; digam as profecias o que os homens queiram que elas digam!

Jornal O Clarim – maio de 2012  

Anúncios