O argueiro e a trave

Deixe um comentário

Argueiro é sinônimo de cisco; partícula muito pequena. Trave é um tronco de madeira grosso; uma viga. Portanto, quando Jesus perguntou “por que vês o argueiro no olho do outro e não vês a trave no teu próprio olho?”, segundo Mateus VII-3/5, criou uma metáfora exagerada, contundente, para despertar a atenção dos pretensiosos, que veem os mínimos defeitos dos outros, mas não veem os seus próprios.

Por que os homens fazem isso? Quem é o maior prejudicado com essa atitude, quando a criatura procura valorizar-se além do normal, enfatizar as falhas alheias e camuflar seus próprios defeitos? Espera enganar quem, a não ser a si mesmo?

Temos tendência a esconder nossas deficiências porque a sua exposição fere-nos o orgulho. Não queremos que os outros conheçam nossas inferioridades. O pior é que, assim agindo, estaremos enganando a nós mesmos. De tanto repetir, e isso é o pior, acabamos acreditando que somos melhores e mais competentes do que efetivamente somos. Fôramos mais modestos e sofreríamos menos.

Em O Livro dos Espíritos temos a conhecida questão 919, que pode muito bem orientar-nos na solução desta nossa falha de caráter. Indagou-se dos Veneráveis “qual o meio mais prático e mais eficiente para aperfeiçoar-se nesta vida, resistindo à tentação do mal?” Eles responderam que “um sábio da antiguidade disse: conhece-te a ti mesmo.”

Com base nessa orientação, Santo Agostinho, um dos Espíritos da Codificação, desenvolveu na questão 919 a., o  meio mais eficiente para o autoconhecimento, propondo um tipo de questionário que pode nos servir como roteiro de autoanálise.

É importante que cada pessoa se conheça para ajustar-se na vida, ocupando a exata posição que lhe compete no contexto social. Se mal temos capacidade para serviços de escriturário, nunca devemos atender a um anúncio de gerente. Sejamos primeiro o funcionário de menor graduação, aprimoremo-nos e teremos o direito de conquistar as promoções às quais fizermos jus, por méritos. Seremos alguém ajustado na função e se mudarmos de emprego levaremos a competência conquistada para o novo lugar de trabalho. Subimos degrau por degrau e não corremos o risco de despencar escada abaixo.

Quando colaboramos numa casa espírita, não tenhamos pressa em trabalhar nos altos postos. Não nos aflijamos para ser palestrante, dirigente, presidente ou ter qualquer posto que nos coloque em evidência. Todos os trabalhos são importantes e se entrosam. Numa casa sem higiene há desconforto e doenças. Portanto, também no Centro Espírita o trabalho da faxineira é fundamental. Tanto quanto qualquer outro.

Temos o direito e, mais que isso, o dever de progredir, porque a finalidade da encarnação é a evolução. Mas conhecer-nos é o primeiro e mais importante passo para o progresso sensato e seguro. Já disse o espanhol Miguel de Cervantes: “senta-te no teu lugar e não te farão levantar.”  Disse ainda o escritor castelhano: “quem não sabe governar a si próprio não sabe governar os outros.”

Jornal O Clarim – Matão – maio de 2013

Anúncios

La divulgación del Espiritismo

Deixe um comentário

En este mes de mayo, esta columna, en dos idiomas, completa quince años, ininterrumpidos 

Octávio Caúmo Serrano

Traducción – Maria Renee San Martin Gómez – relu2521@yahoo.com

 

Teníamos el privilegio de merecer del Equipo de O Clarim la confianza para expresar ideas cuanto a la interpretación y análisis de la Doctrina de los Espíritus en sus vehículos; era ya un espacio fijo y mensual, que a partir de junio de 1998 paso a divulgar en portugués y español.

De inicio nos cabía también escribir la columna en lengua extranjera hasta que contamos con la colaboración de la estimada María Renee San Martin Gómez, de la ciudad de Cochabamba – Bolivia, que paso a hacer las traducciones. Eso ya hace algunos años. Es siempre más fiel el texto escrito por un nativo del idioma de lo que el de un extranjero autodidacta, que desconoce las expresiones propias del idioma. Ganó  la revista y ganaron los lectores.

  ¿Después de la publicación de ciento y ochenta materias, sin faltar un único mes, nos preguntamos si valió la pena? ¿Con la vasta literatura espírita de renombrados médiums y escritores, que utilidad puede tener un texto aislado que cuida de fragmentos, sin una secuencia mes tras mes? Creemos, respondiendo nosotros mismos, que si, valió la pena.

Nuestra opinión se basa en el número de personas que ya nos escribieron; unas criticando y otras aprobando lo que escribimos, pero todas dando su opinión sincera que llevamos muy en cuenta, porque  ayudan en la evaluación del trabajo.

¿Que contribución puede dar un simple texto para el crecimiento del movimiento espírita que, a veces, ni trae novedades en relación a lo que ya fue divulgado? Sin embargo, por experiencia propia, sabemos que hay situaciones en que una sola frase del artículo sirve como punto de partida para llevar al lector a interesarse por ciertos asuntos que envuelven sus dudas, sus problemas o sus aspiraciones. Un concepto dicho de forma diferente puede llegar a la mente de una persona para algo que ella ya conocía sin percibir. ¡Fue por una frase que llegamos al Espiritismo!

¿¡Mi esposa preguntó a una amiga porque nos llevamos mejor con los amigos que con los parientes?! Ella respondió que, según su doctrina, los parientes de hoy son los enemigos del pasado. Eso hizo tanto sentido, que a partir de ese día, allá por el inicio de los años setenta, comenzamos a interesarnos por la Doctrina y nunca más paramos. Hoy, después de estudiar mucho, sabemos que no se puede radicalizar, porque hay parientes que se llevan bien. ¡Pero es excepción! Como dice la conocida trova del poeta Cornelio Pires, “casi siempre en esta vida/ suegro, suegra, yerno y nuera/ es el amor de Dios uniendo/ a los enemigos de otrora!” O aquella otra, también ya divulgada varias veces: “quien ya venció en otras eras/ fricciones y odios mordientes/ ya puede nacer en la Tierra/ como muchos pocos parientes”. Sintomático. ¿No es verdad?

La intención es aprovechar la oportunidad que la RIE nos ofrece para hablar de nuestras experiencias como dirigente de Centro, escritor y expositor; tenemos una vivencia que debe ser esparcida, especialmente para los más jóvenes. Si un día nos sentamos por primera vez en el auditorio Bezerra de Meneses de la Federación Espírita del Estado de Sao Paulo, y oímos algo que cambio nuestra vida, seriamos ingratos si pusiésemos la “candela debajo del celemín”. Hablamos y escribimos para expresar gratitud por lo mucho que otros hicieron por nosotros cuando nos enseñaron, orientaron y aconsejaron a que estudiáramos el Espiritismo. 

Esa afirmación tiene base doctrinaria, también. Para hablar apenas de una pregunta del Libro de los Espíritus, vamos al ítem 779, sobre la marcha del progreso. En la respuesta, los Venerables dijeron”(…) los más avanzados contribuyen para el progreso de los otros por en contacto social”. Eso se consigue paso a paso. Es esa nuestra intención, ya que estamos a más tiempo en el camino. Cierta vez hablamos de subconsciente, consciente e superconsciente, asunto nada excepcional en los bancos de universidad, en los cursos de las doctrinas del alma. Nos referimos al subconsciente como pasado, porque representa los conocimientos archivados; el consciente, como el presente y el superconsciente como el futuro, teniendo que ver con nuestras programaciones. Dimos como ejemplo: yo quería ser contador y hoy lo soy. Hace parte de mi subconsciente. Hoy hago maestría, lo que representa mi consciente; futuramente, espero el doctorado, meta que simboliza el superconsciente. A pesar de la explicación simple, en ese día, una sicóloga expositora de la doctrina nos dijo que nunca entendió bien esos conceptos ligados al inconsciente, más que con la explicación quedo claro. Mero ejemplo.

Hay otro aspecto interesante a considerar. Para enseñar es necesario primero aprender. Aquel que hace una conferencia o escribe una tesis, necesita estudiar mucho sobre el asunto y prepararse para aclarar cualquier duda que aparezca durante la presentación. Deberá estar apto a contestar preguntas sobre el tema, con seguridad y objetivamente. Por tanto enseñar es el camino más eficiente para aprender. Que digan los profesores de cualquier asunto.

No es común tener textos inspirados y con la cualidad que desearíamos. Buscamos estar siempre atentos a los detalles que nos permitan desarrollar un trabajo de utilidad; que pueda provocar algún tipo de raciocinio y meditación en el lector. Pero no es fácil, a pesar del esfuerzo.

Agradecemos a los amigos del Centro Espirita O Clarim por la confianza en nosotros depositada y continuamos a las órdenes para producir dentro de lo mejor que sabemos, en la esperanza de que otros también se inspiren en nuestra buena voluntad y decidan dar su colaboración, para que la revista siga como una de las mejores del movimiento espirita nacional e internacional. En el pasado 15 de febrero, ella completó 88 años de vida. Es necesario tener calidad y actualización para permanecer activa y en la vanguardia durante tanto tiempo.

Para nosotros es un honor ser parte del equipo de escritores permanentes de la RIE y del periódico O Clarim. No podemos garantizar que algún lector se ha beneficiado de nuestros escritos, pero, crean, nosotros que hicimos el trabajo durante todo este tiempo, fuimos lo más beneficiado; ¡ aprendimos, y mucho !

RIE – Revista Internacional de Espiritismo – mayo 2013

 

A divulgação do Espiritismo

2 Comentários

RIE_Capa_Maio2013Neste mês de maio, esta coluna, em dois idiomas, completa quinze anos, ininterruptos.

 

Tínhamos o privilégio de merecer da Equipe O Clarim a confiança para expressar ideias quanto à interpretação e análise da Doutrina dos Espíritos em seus veículos; era já um espaço fixo e mensal, que a partir de junho de 1998 passou a divulgar textos em português e espanhol.

De início cabia-nos também redigir a coluna em língua estrangeira até contarmos com a colaboração da estimada Maria Renee San Martin Gómez, da cidade de Cochabamba, Bolívia, que passou a fazer as traduções. Isso já há alguns anos. É sempre mais fiel o texto escrito por um nativo do idioma do que o de um estrangeiro autodidata, que desconhece as expressões próprias da língua. Ganhou a revista e ganharam os leitores.

Após a publicação de cento e oitenta matérias, sem faltar um só mês, perguntamo-nos se valeu a pena? Com a vasta literatura espírita de renomados médiuns e escritores, que utilidade pode ter um texto isolado que cuida de fragmentos doutrinários, sem uma sequência mês após mês? Acreditamos, respondemos nós mesmos, que sim, valeu a pena.

Nossa opinião baseia-se no número de pessoas que já nos escreveram; umas criticando e outras aprovando o que escrevemos, mas todas dando sua opinião sincera que levamos muito em conta, porque ajudam na avaliação do trabalho.

Que contribuição pode dar um simples texto para o crescimento do movimento espírita que, às vezes, nem traz novidades em relação ao que já foi divulgado? Mas, por experiência própria, sabemos que há situações em que uma só frase do artigo serve como ponto de partida para levar o leitor a interessar-se por certos assuntos que envolvem suas dúvidas, seus problemas ou suas aspirações. Um conceito dito de forma diferente pode chegar à mente de uma pessoa para algo que ela já conhecia sem perceber. Foi por uma frase que chegamos ao Espiritismo!

Minha mulher perguntou a uma amiga por que nos damos melhor com os amigos do que com os parentes! Ela respondeu que, segundo a sua doutrina, os parentes de hoje são os inimigos do passado. Fez tanto sentido que a partir desse dia, lá pelo início dos anos setenta, começamos a nos interessar pela Doutrina e nunca mais paramos. Hoje, depois de muito estudar, sabemos que não se pode radicalizar, porque há parentes que se dão bem. Mas é exceção! Como diz a conhecida trova do poeta Cornélio Pires, “quase sempre nesta vida / sogro, sogra, genro e nora / é o amor de Deus unindo / os inimigos de outrora!” Ou aqueloutra, também já divulgada várias vezes: “Quem já venceu noutras eras / atritos e ódios mordentes / já pode nascer na Terra / com muito poucos parentes”. Sintomático. Não é?

A intenção é aproveitar a oportunidade que a RIE nos oferece para falar de nossa experiência como dirigente de Centro, escritor e palestrante; temos uma vivência que deve ser espalhada, especialmente para os mais novos. Se um dia nos sentamos pela primeira vez no auditório Bezerra de Menezes, da Federação Espírita do Estado de São Paulo, e ouvimos algo que mudou a nossa vida, seríamos ingratos se puséssemos a “candeia debaixo do alqueire”. Falamos e escrevemos para expressar gratidão pelo muito que outros fizeram por nós quando nos ensinaram, orientaram e aconselharam a que estudássemos o Espiritismo.

Essa afirmação tem base doutrinária, também. Para falar apenas de uma questão de O Livro dos Espíritos, vamos ao item 779, sobre a marcha do progresso. Na resposta, os Veneráveis disseram: “(…) os mais avançados contribuem para o progresso dos outros pelo contato social”. Isso se consegue passo a passo. É essa a nossa intenção, já que estamos há mais tempo na estrada.

Certa vez falávamos de subconsciente, consciente e superconsciente, assunto corriqueiro nos bancos de universidade, nos cursos das doutrinas da alma. Referimo-nos ao subconsciente como o passado, porque representa os conhecimentos arquivados; o consciente, como o presente, o que vivemos no cotidiano; e o superconsciente como o futuro, tendo a ver com nossas programações. Demos como exemplo: eu queria ser contador e hoje sou. Faz parte do meu subconsciente. Hoje faço mestrado, o que representa o meu consciente; futuramente, espero pelo doutorado, meta que simboliza o superconsciente. Apesar de explicação simplista, nesse dia, uma psicóloga expositora da doutrina nos disse nunca haver entendido bem esses conceitos ligados ao inconsciente, mas que com a explicação ficou claro. Mero exemplo.

Há outro aspecto interessante a considerar. Para ensinar é preciso primeiro aprender. Aquele que faz uma conferência ou escreve uma tese precisa estudar muito sobre o assunto e preparar-se para dirimir qualquer dúvida que surja durante a apresentação. Deverá estar apto a responder perguntas sobre o tema, com segurança e objetividade. Portanto ensinar é o caminho mais eficiente para aprender. Que digam os professores de qualquer assunto.

Não é comum ter-se textos inspirados e com a qualidade que desejaríamos. Procuramos estar sempre atentos aos detalhes que nos permitam desenvolver um trabalho de utilidade; que possa provocar algum tipo de raciocínio e meditação no leitor. Mas não é fácil, apesar do esforço.

Agradecemos aos amigos do Centro Espírita O Clarim pela confiança em nós depositada e continuamos às ordens para produzir dentro do melhor que sabemos, na esperança de que outros mais se inspirem em nossa boa vontade e decidam também dar sua colaboração, para que a revista continue como uma das melhores do movimento espírita nacional e internacional. No passado 15 de fevereiro, ela completou 88 anos de vida. É preciso ter qualidade e atualização para permanecer na ativa e na vanguarda durante tanto tempo.

Para nós é uma honra fazer parte da equipe de articulistas permanentes da RIE e do Jornal O Clarim. Não podemos garantir que algum leitor se beneficiou dos nossos escritos, mas acreditem, nós que fizemos o trabalho durante todo esse tempo, fomos o grande beneficiado; aprendemos, e muito!

RIE – Revista Internacional de Espiritismo – maio de 2013