Um livro só de rezar

1 Comentário

O livro mais lido pelos espíritas é, indubitavelmente, o Evangelho Segundo o Espiritismo.

Recomendado como Livro básico para a reunião do Evangelho no Lar, o conhecido culto em família, e também para a leitura diária, como uma prece de reforço para o nosso dia a dia, ele não é tão usado como um livro de estudo. Isto fica mais para O Livro dos Espíritos e o Livro dos Médiuns, para os que cuidam da educação da mediunidade.

O Evangelho, no entanto, diferente do que supõe a maioria, não é um livro para rezar, apenas. É um resumo da doutrina de Jesus que é toda fundamentada nas leis divinas. Jesus quando falava, não sugeria nem aconselhava; decretava.

Ninguém vai ao Pai senão por mim – João 14:6 – advertiu Jesus. Ele não disse muitos não vão ao Pai, alguns não vão ao Pai, a maioria não vai ao Pai. Ele informou que NINGUÉM vai ao Pai a menos que se eduque dentro dos princípios ensinados por Ele, com base na Lei Divina.

Noutra ocasião, decretou que deveríamos amar o próximo com a nós mesmos – Mateus XXII: 34 a 40. Não fez ressalva, dizendo que o outro deveria ser conhecido ou parente, simpático ou judeu, rico ou negro. Informou que temos de amar o PRÓXIMO, independente de quem seja ele. Como exemplificou na parábola do Bom Samaritano. Mais claro, impossível! Completou dizendo: amai os vossos inimigos e ponto final – Mateus V:  44, 46 a 48.

Decretava Ele a Lei do Amor incondicional, porque só quem ama esquece, perdoa, tolera, aceita e ajuda independente da gravidade da ofensa. E, além disso, é quem mais tem a ganhar com seu gesto porque o perdão representa a limpeza interior do homem com a expulsão de todo sentimento inferior: mágoa, ódio, rancor e seus consequentes.

“Nada há fora do homem que, entrando nele, o possa contaminar; mas o que sai do homem é o que o contamina.”Marcos 7:15. Informava e não deixava exceções, circunstanciais como, a menos que, a não ser que haja, ou caso fosse, etc. A recomendação é de cuidado com as palavras porque criam grandes compromissos e uma vez ditas já não podem mais ser recolhidas.

Quando entendermos que o Evangelho de Jesus é um código com leis muito bem definidas, vamos acreditar mais nas consequências das nossas atitudes que poderão nos criar grandes problemas quando infringirem essa lei simples, mas fundamental para que sejamos felizes.

Esse livro, que completou 149 anos no passado 29 de abril, define o Espiritismo como religião, além de doutrina científico-filosófica. Está registrado como advertência do Espírito de Verdade, desde 9 de agosto de 1863, antes do lançamento, portanto, que Kardec deveria ”apresentar o Espiritismo como a verdadeira doutrina ensinada pelo Cristo. Aproxima-se a hora em que, diante do Céu e da Terra, terás de proclamar o Espiritismo como a única tradição verdadeiramente cristã e a única instituição verdadeiramente divina e humana”. (Em Notícias sobre o livro, ESE, Edicel, 3ª edição, 1987).

Jornal O Clarim – Matão – Junho de 2013

Anúncios

Comunicación: arma de dos filos

Deixe um comentário

El ideal sería un idioma en el cual cada palabra tuviese un significado único y particular. La afirmación no es nuestra, sino del Espiritismo.
• Octávio Caúmo Serrano – traducción Maria Renee San Martin Gomez – relu2521@yahoo.com

Es común encontrar en El Libro de los Espíritus comentarios de los Venerables sobre el leguaje de los hombres, diciendo que eso poco los preocupa. Lo importante es que nosotros nos entendamos, lo que muchas veces no acontece.
Como ejemplo, tomemos la pregunta 28: “ya que el propio espíritu consiste de alguna cosa, no será más exacto, y menos controvertido, designar esos dos elementos generales por los términos materia inerte y materia inteligente?” a lo que ellos respondieron: “las palabras poco se nos importan. Cabe a ustedes formular el lenguaje de manera que se entiendan. Vuestras controversias advienen casi siempre del hecho de no entenderse en cuanto a las palabras, porque vuestro lenguaje es incompleta para exprimir lo que nos toca a los sentimientos.”
Eso se repite diversas veces, cuando ellos responden a las preguntas diciendo simplemente: “pobresa de lenguaje” o “definición incompleta”. Caso de la pregunta No. 3
Independiente de la falta de clareza por las limitaciones de las palabras para sacar las ideas, también habrá de considerarse la falta de vigilancia y la liviandad de las personas que no saben guardar las palabras dentro de la boca para dejarlas salir solo después de la correcta avaluación de lo que pretenden decir. Por eso repetimos siempre que la primera cualidad de un buen médium es saber callarse.
Vamos a ejemplificar:
Recientemente personas de nuestro relacionamiento se vio alcanzada por una enfermedad grave que demandaba cirugía urgente de intestino. Aunque comprobado por exámenes especializados, antes de la operación, decidieron consultar a un médium que se propuso a operarla. Al final del procedimiento espiritual, él dijo al operado y a sus familiares que los médicos tendrían una gran sorpresa al abrir al paciente.
Como no podía dejar de ser, la declaración genero una expectativa en las personas, que fueron para el hospital más confinantes de lo normal. Los familiares repetían la frase al médico, que poca importancia dio al comentario. Cuando el profesional llego a la enfermedad, durante el acto quirúrgico, tuvo realmente una sorpresa: el problema era mucho más grave de lo que los exámenes habían demostrado. Desnecesario decir que la frustración fue total, creando, más allá del dolor, un gran desanimo delante lo ocurrido.
¿Cuál debería ser el comportamiento del médium? De equilibrio, evidentemente. Si no pudiese quedar sin comentar algo, podría decir a las personas que hiciera todo lo que fuera permitido por Dios y que los médicos serian ayudados en su trabajo. Pero el, vanidosamente, intentó adivinar una cura que no se efectuaría y que él no podía garantizar. Se perdió por la boca y, quiero creer, ya no merece credibilidad por parte de los que formaban parte, que no lo recomendaran a otros. Genero una desnecesaria expectativa que provoco un efecto contrario. Un médium espirita no puede tener tal comportamiento. No puede prometer cura ni informar que el mal es incurable. Haga su parte y listo. Eso también es caridad.
Dijimos que la comunicación es un arma de doble filo, exactamente por eso. Las palabras que elogian son las mismas que critican. Las expresiones que animan pueden generar desestimulo, cuando están torcidas. Los mismos vocabularios que componen una frase de amor pueden formar un mensaje de odio. Es preciso cuidado en el uso de las palabras. Y si las palabras cargan ofensas o liviandades, mejor dejarlas en la boca. Cuando no podemos hablar bien de una persona, mejor quedarnos callado. Después que escapan, hacen estragos y no pueden ser recogidas. Dice antiguo proverbio: “Tu eres dueño de la palabra contenida y el esclavo de la palabra proferida.
Cuando analizamos la vida del mayor médium brasilero de todos los tiempos, Francisco Cândido Xavier, constatamos que él nunca hizo previsiones de fin de año, como los tarólogos, los jugadores de caracoles, los adivinadores, porque él sabía que solo Dios conoce el futuro de las cosas y de las personas. Siempre dejo mensajes de esperanza, sin falsas promesas, y consejos de cuño moral para la mejora de la criatura. Cada uno tiene su historia y sus necesidades, que se alteran todos los días en razón del comportamiento delante la vida. Todo es mutable. El destino es construido el día a día.
Aprendamos a usar las palabras para distribuir dulzura, optimismo, esperanza. Y cuando vemos o percibimos algo de mal o grave en una persona, transmitamos aliento, advertencia, consejo, pero nunca hagamos cualquier tipo de terrorismo. No ayuda, más allá de entorpecer. Tenemos lo mal hábito de poner más leña al fuego o de apagar incendio con gasolina, cada vez que sabemos de una noticia mala, o cuando alguien herido por un acontecimiento nos pide consejos. Jamás aconsejamos la quietud de amor, sino el ruido del ojo por ojo. Generalmente hacemos la apología de la venganza.
Quien usa cualquier de los sentidos para destruir, registra en sí mismo los rescates que deberán ser corregidos un día. ¡Si no deseamos nacer sordos o mudos, cuidemos de nuestras palabras para que sean siempre útiles a nuestra comunicación, hablada o escrita!

RIE – Revista Internacional de Espiritismo – junio 2013

Comunicação: faca de dois gumes

1 Comentário

Rie_Junho_2013

O ideal seria um idioma no qual cada palavra tivesse um significado único e particular. A afirmação não é nossa, mas do Espiritismo.

É comum encontrarmos em O Livro dos Espíritos comentários dos Veneráveis sobre a linguagem dos homens, dizendo que isso pouco os preocupa. O importante é nos entendermos, o que muitas vezes não acontece.

Como exemplo, tomemos a pergunta 28: “Já que o próprio espírito consiste de alguma coisa, não seria mais exato, e menos controverso, designar esses dois elementos gerais pelos termos matéria inerte e matéria inteligente?” Ao que eles responderam: “As palavras pouco nos importam. Cabe a vós formular a linguagem de maneira a vos entenderdes. Vossas controvérsias advêm quase sempre do fato de não vos entenderdes quanto às palavras, porque a vossa linguagem é incompleta para exprimir o que não vos toca os sentidos.”

Isso se repete diversas vezes, quando eles respondem os questionamentos dizendo simplesmente: “pobreza de linguagem” ou “definição incompleta”. Caso da questão no 3.

Independente da falta de clareza pelas limitações das palavras para exprimir as ideias, também há de considerarmos a invigilância e leviandade das pessoas que não sabem guardar as palavras dentro da boca e deixá-las sair só depois de correta avaliação do que pretendem dizer. Falam sem pensar em vez de pensar no que vão dizer. Por isso repetimos sempre que a primeira qualidade de um bom médium é saber ficar calado.

Vamos exemplificar:

Recentemente pessoa de nosso relacionamento viu-se acometida de uma enfermidade grave que demandava cirurgia urgente de intestino. Embora comprovado por exames especializados, antes da operação, decidiram consultar um médium que se propôs a operá-la. Ao final do procedimento espiritual, ele disse ao operado e seus familiares que os médicos teriam grande surpresa ao abrir o paciente.

Como não podia deixar de ser, a declaração gerou uma expectativa nas pessoas, que foram para o hospital mais confiantes do que o normal. Os familiares repetiram a frase ao médico, que pouca importância deu ao comentário. Quando o profissional chegou à enfermidade, durante o ato cirúrgico, teve realmente uma surpresa: o problema era muito mais grave do que os exames haviam demonstrado. Desnecessário dizer que a frustração foi total, criando, além da dor, grande desânimo diante do ocorrido.

Qual deveria ser o comportamento do médium? De equilíbrio, evidentemente. Se não pudesse ficar sem comentar algo, poderia dizer às pessoas que fizera tudo o que foi permitido por Deus e que os médicos seriam ajudados no seu trabalho. Mas ele, vaidosamente, tentou adivinhar uma cura que não se efetivara e que ele não podia garantir. Perdeu-se pela boca e, quero crer, já não mais merece credibilidade por parte dos envolvidos, que não o recomendarão aos de seu relacionamento. Gerou uma desnecessária expectativa que provocou um efeito contrário. Um médium espírita não pode ter tal comportamento. Não pode prometer cura nem informar que o mal é incurável. Faça a sua parte e pronto. Isso também é caridade.

Dissemos que a comunicação é uma faca de dois gumes, exatamente por isso. As palavras que elogiam são as mesmas que criticam. As expressões que animam podem gerar desestímulo, quando distorcidas. Os mesmos vocábulos que compõem uma frase de amor podem formar uma mensagem de ódio. É preciso cuidado no uso das palavras. E se as palavras carregarem ofensas ou leviandades, melhor deixá-las na boca. Quando não podemos falar bem de uma pessoa, melhor ficar calado. Depois que escapam, fazem estrago e não mais podem ser recolhidas. Diz antigo provérbio: “Você é o dono da palavra contida e o escravo da palavra proferida.”

Quando analisamos a vida do maior médium brasileiro de todos os tempos, Francisco Cândido Xavier, constatamos que ele nunca fez previsões de fim de ano, como os tarólogos, os jogadores de búzios, os adivinhadores, porque ele sabia que só Deus conhece o futuro das coisas e das pessoas. Sempre deixou mensagens de esperança, sem falsas promessas, e conselhos de cunho moral para o aprimoramento da criatura. Cada um tem sua história e suas necessidades, que se alteram todos os dias em razão do comportamento diante da vida. Tudo é mutável. O destino é construído no dia a dia.

Aprendamos a usar as palavras para distribuir doçura, otimismo, esperança. E quando vemos ou percebemos algo de mal ou de grave numa pessoa, transmitamos alento, advertência, conselho, mas nunca façamos qualquer tipo de terrorismo. Não ajuda, além de atrapalhar. Temos o mau hábito de pôr sempre mais lenha na fogueira ou de apagar incêndio com gasolina, cada vez que sabemos de uma notícia ruim, ou quando alguém ferido por um acontecimento nos pede conselho. Jamais aconselhamos a quietude do amor, mas o estardalhaço do olho por olho. Geralmente fazemos a apologia à vingança.

Quem usa qualquer dos sentidos para destruir, registra em si próprio os resgates que deverão ser corrigidos um dia. Se não quisermos nascer surdos ou mudos, cuidemos das nossas palavras para que sejam sempre úteis à nossa comunicação, seja falada ou escrita!

RIE – Revista Internacional de Espiritismo – junho de 2013