Caumo e maria

O nome da casa espírita que ajudamos a fundar é “Centro Kardecista Os Essênios”. Não precisaríamos ter incluído a palavra kardecista ou tê-la substituído por Espírita e todos saberiam que é kardecista.

Por que todos saberiam?

Porque a palavra Espírita e a palavra Espiritismo foram mencionadas pela primeira vez por Allan Kardec quando do lançamento de O Livro dos Espíritos em 18 de abril de 1857, na própria introdução da obra. Os termos existentes até então eram Espiritualista e Espiritualismo, antagônicos de Materialista e Materialismo. Ou seja, todos que acreditassem em algo além da matéria eram espiritualistas. “Para ideias novas palavras novas”, disse Kardec. Os termos existentes não comportavam mais definições.

Depois dessas afirmativas, ficou claro que Espírita é somente aquele que professa o Espiritismo, ou seja, o praticante da doutrina codificada por Allan Kardec.

Ocorre que, embora afirmássemos que todos saberiam que Centros Espíritas são apenas os Centros Kardecistas, na prática não é o que acontece. Nem público, nem cientistas, nem religiosos, nem doutores, nem a imprensa têm esse conhecimento, respeitadas raras exceções. Por isso a confusão entre Espiritismo e Umbanda, o que vemos amiúde nas entrevistas e reportagens. Tratam fenômenos mediúnicos ou espirituais como espíritas. Os médiuns, de qualquer religião são considerados espíritas. Ora, um médium católico não pode ser espírita; é católico, embora médium, porque a mediunidade não é patrimônio dos Espiritas. Embora todos sejam úteis e façam o bem, cada um tem sua própria doutrina. Da mesma forma como nós somos espiritualistas espíritas, nossos confrades são espiritualistas umbandistas. Outros são espiritualistas católicos, espiritualistas protestantes, espiritualistas messiânicos, espiritualistas budistas e por ai vai.

Apesar de já termos sido criticados, inclusive pelos iluminados do movimento espírita, taxando-nos de tolos e ingênuos por fundar um centro espírita sem saber que a ressalva é desnecessária, reiteramos que ela é necessária, sim, e fundamental para que cada pessoa busque a doutrina que realmente deseja encontrar na casa. Defendemos que no nome de cada associação esteja claramente definida a sua doutrina, como fazem os doutores que especificam nos consultórios ou propagandas as suas especialidades. Assim, ninguém corre o risco de tratar do olho num ortopedista ou do coração num neurologista. E ninguém encomenda a um jornalista a planta da sua casa.

Poderíamos ter redundado e escrito Centro Espírita Kardecista os Essênios, mas aí sim seria exagero. Uma vez dito Centro Kardecista qualquer pessoa saberá que ali é um CENTRO ESPÍRITA; e saberá, ainda, que segue a doutrina de Allan Kardec.

A nossa responsabilidade é facilitar para que as pessoas que vivem perdidas ou em desespero encontrem definidamente o que procuram. Se os espíritas já sabem que Centro Espírita ou Centro Kardecista é a mesma coisa, os que estão chegando agora na doutrina e nunca estudaram Espiritismo, nem tem noção de quem foi Allan Kardec quanto mais a diferença entre espiritismo e espiritualismo. Embora cuidemos com carinho de todos os espíritas que nos procuram, participam e nos ajudam nas nossas atividades, não podemos descuidar-nos com os noviços que carecem de ajuda e contam recebê-la na nossa instituição. É por eles que incluímos a palavra kardecista e registramos nossa casa como “Centro Kardecista Os Essênios”. Que vai muito bem, obrigado, nos dá oportunidade de praticar a verdadeira caridade e tem ajudado muita gente ao longo desses poucos dezessete anos que estamos em João Pessoa, no Estado da Paraíba. Aqui chegamos a 21 de janeiro de 1997 e depois de pouco mais de sessenta dias fundamos a casa; em 1 de abril de 1997, dia que homenageia a fundação da primeira instituição criada por Allan Kardec, a Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas, em 1858.

Somos uma casa responsável, onde cuidamos com muito esmero da disciplina para honrar o bom nome dos essênios, que nos atrevemos a usar. Quem desejar conhecer um pouco dos essênios, embora haja vastíssima literatura nas livrarias e na internet, dê um passeio neste endereço: http://www.espacoholistico.com.br/essenios.htm ou no nosso blog www.essenios.wordpress.com

Tribuna Espírita – maio/junho 2014