O sexo e suas implicações

Deixe um comentário

Octávio Caumo Serrano

Em mundos materiais como a Terra, salvo exceções em alguns tipos de vida, geralmente são necessários uma fêmea e um macho para que se dê a procriação.

No reino animal, onde só existe instinto, o sexo se destina à perpetuação da espécie e vê-se que é apenas no período fértil,  conhecido como cio, que os animais se procuram para reprodução.  Não há neles um instinto de prazer, mas apenas cumprir um desígnio da natureza para que o seu tipo não desapareça. Vemos, por exemplo, que no Brasil entre setembro e março os pássaros se acasalam e constroem ninhos para deitar os ovos que produzirão novos pássaros do seu tipo.

Essa regra não é obedecida pelo homem, apesar das muitas tentativas da igreja para que o relacionamento se dê apenas para procriação, devendo ser evitados até os anticoncepcionais. Como o ser humano está num estágio superior ao dos animais, pois além do instinto é dotado de razão, o relacionamento pode servir também para maior aproximação e mais amor entre os envolvidos, sem que necessariamente gerem crias. Todavia, apesar de lícito, é preciso é que seja um sexo respeitoso, equilibrado, com parceria e naturalidade. Que una cada vez mais os envolvidos.

O que é de se lamentar é que atualmente o sexo virou comércio e está vulgarizado, sendo explorado pela mídia em jornal, revista, teatro, televisão, em humorísticos, novelas, filmes, etc., porque a exibição dos corpos, com destaque para os femininos, é importante fonte de faturamento para essa gama de empresários desprovidos de pudor e para os quais os meios justificam os seus objetivos. O lucro acima de tudo, em quaisquer condições.

O problema é que as almas envolvidas terão de pagar altos preços. E caso não seja já nesta encarnação lhes estarão reservados para as vidas futuras. Para quem imagina que morreu acabou, não há argumento que o convença. Mas para os que sabem que viveremos novas encarnações no futuro, e já vivemos outras anteriormente, ignorar que seus atos lhes trarão dolorosas consequências é, no mínimo, uma imprudência.

Com esses conhecimentos teremos mais condições de saber por que há homens impotentes, mulheres frígidas ou estéreis e não nos sentiremos traídos por Deus por que não nos dotou de capacidades tão normais na maioria das pessoas. Mães que querem ter filhos, fazem tratamento, mas não conseguem engravidar. Outras que até têm facilidade, mas não retém a cria que lhes escapa sem razões aparentes. Abortam apesar de todos os cuidados. Somente o Espiritismo que nos fala da lei de ação e reação pode nos explicar certos fenômenos que acontecem nas nossas vidas.

Se algum dos ouvintes está vivendo tais limitações, não se revolte. Ao casal que não pode procriar, resta o lindo caminho da adoção, que, sem mesmo que saibam, muitas vezes é programada já na espiritualidade, antes do nascimento na Terra. A psicóloga americana Helen Wambach, no seu livro “Vida Antes da Vida”, confirma isso e muitas outras coisas, mostrando que nossa encarnação não se faz ao acaso, mas é resultado de cuidadosa programação na qual até os menores detalhes estão previstos.  Esse conhecimento e a vivência feliz, apesar dessas limitações, corrigem falhas do passado qualificando-nos a voltar à normalidade em futuros renascimentos.

Quem desejar se ver livre dessas consequências numa encarnação futura, cultive nobreza no sexo, usando-o para criar, amar, educar, mas sempre com respeito ao parceiro. Quem lesa o outro nesse campo, está lesando a si mesmo, embora não acredite e até ria desta afirmação. O que você não quer para sua irmã, não faça à irmã do outro. Não faça hoje para não chorar amanhã.

O livro Vida e Sexo de Emmanuel por Chico Xavier explica tudo. Até a homossexualidade. Leiam. Outro interessante é Sexo e Destino que André Luiz ditou a Chico Xavier e Waldo Vieira. Não estamos julgando porque, nesse tema, como disse Jesus, quem nunca tiver pecado que atire a primeira pedra. É só um alerta. A semeadura é livre, mas a colheita é obrigatória!

Jornal O Clarim – Maio 2017

Amigos de sangre y parientes de corazón

Deixe um comentário

Octavio Caumo Serrano | caumo@caumo.com

Debemos tener dos tipos de amigos: los que nos enseñan algo o nos ayudan y los que aprenden con nosotros o aceptan nuestra ayuda.

La vida es corta para perder tiempo. No somos domadores para exigir del otro, a la fuerza, qué él no anhela hacer, aceptar o aprender. De la misma forma que somos como deseamos, respetemos el libre albedrío de las personas, dejándolas que sean como prefieren. Nadie puede obligar el otro a ser su amigo, amarlo o a concordar con sus puntos de vista, a menos que se conciencie que el cambio le será benéfico. Si aún no comprendió, vamos  entregarlo al tiempo que es un maestro convincente. La naturaleza, el dolor y el porvenir muestran lo que ni siempre uno consigue.

Para mejor entendimiento, consultemos El Libro de los Espíritus en las cuestiones relativas a los ángeles guardianes, preguntas 489 a 521, con destaque para la amplia cuestión 495, de autoría de los lúcidos San Luiz y San Agustín, ambos de activa participación en los trabajos de la Codificación del Espiritismo. Tenemos ahí una orientación segura de cual deba ser nuestro comportamiento delante de alguien rebelde que se recusa a ser ayudado.

Eso vale para un desconocido, un pariente y incluso un hijo, después de alcanzar la edad adulta. Mientras es pequeño y no tiene capacidad para decidir sobre su futuro cabe a nosotros encaminarlo, orientarlo e incentivarlo. Sin embargo, una vez mayor debemos darle el derecho al libre albedrío para que haga como mejor le parezca. Así como el ángel de guarda, nunca dejemos de ser un hombro a su disposición y tengamos siempre el tiempo que él necesita para desahogar o pedir ayuda; sin embargo, ahora la situación se invierte. El viene a buscar orientación y socorro cuando le parezca necesario y no cuando nosotros imaginamos que él necesita. Mientras el sufrimiento no hace su parte, nuestro argumento será inconsistente. Es preciso que él se conciencie de sus limitaciones y de la importancia de la ayuda que podemos le dar. Caso se considere autosuficiente, dejemos que decida por sí propio. Y si es efectivamente independiente como piensa, debemos conmemorar. Antes de ser nuestro hijo, es un hijo de Dios; un hermano que camina con nosotros en los meandros del mundo material. Un espíritu individual con derechos y deberes; plantando y cosechando como todos nosotros. Si él tiene éxito nos pondremos felices. Si fracasa, tendrá de recomenzar sus experiencias nuevamente. ¡Es de la Ley!

Ni siempre tenemos el respeto de nuestros hijos y somos para ellos orientadores competentes. Es común que quieran para sí una vida que nada tiene de parecida con la nuestra o con la que les propusimos seguir en su senda. No es anormal que nos consideren retrógrados y sin ninguna inspiración u originalidad para añadirles algún progreso. No somos un buen ejemplo, según su análisis. Paramos en el tiempo o estamos en la edad de la piedra. No adelanta dar puñetazo en punta de cuchillo. Vamos nos herir sin ninguna utilidad. Como Jesucristo ya prometió que ninguna oveja del rebaño se perderá, andando más despacio o más deprisa, ellos también llegarán al punto más alto de la perfección posible a los humanos. Unos tardarán más otros menos, pero nadie será abandonado. Todos tienen, sin excepción, un ángel protector a inspirarles en el camino hacia el bien. Unos oyen mejor, otros son medio sordos, pero todos llegarán a su apogeo.

Sabemos cómo eso entristece a los padres, principalmente cuando se sienten incapaces para guiar a sus hijos y ayudarlos a encontrar el camino del bien. Sin embargo, si hemos hecho lo mejor que sabíamos o pudimos, dejando muchas veces nuestra propia comodidad para ayudar a los hijos, Dios reconocerá nuestros esfuerzos y nos premiará, aun cuando no tenemos éxito,  pues no dependió de nosotros. No hubo negligencia, sino imposibilidad o inexperiencia para alcanzar los objetivos. No se puede abrir la cabeza del otro y poner adentro qué él necesita. Incluso porque ni siempre tenemos certeza de lo que él realmente quiere. Hacemos conforme nuestro entendimiento y capacidad qué ni siempre es suficiente. El importante, todavía, ¡es hacer lo mejor qué sabemos y podemos, pues tendremos la conciencia en paz!

Es muy difícil participar de la vida de otro espíritu que, muchas veces, ni él sabe bien lo que desea para sí. Tenemos de ser como el sembrador que lanza la semilla y sabe que su germinación dependerá de la tierra, del adobo, del riego, del clima y del tiempo propio de cada planta. Sabe que puede sembrar. Sin embargo nunca tiene la certeza de que lo irá  cosechar. Nosotros, los humanos, necesitamos tener la certeza de que vamos poner la cabeza en la almohada y dormir, porque estamos en paz con la Ley Divina.

En este mes en el que se conmemora en Brasil el Día de las Madres, escribimos este mensaje para que ellas hagan lo mejor que puedan para sus hijos, pero no se desesperen si no tienen éxito. La voluntad de un termina donde comienza la voluntad del otro. ¡Dios bendiga las madres, los padres, los hijos y los amigos de verdad!

RIE – Revista Internacional de Espiritismo – mayo 2017

Amigos de sangue e parentes do coração

Deixe um comentário

2017-04-28-08-04-2696_tb

Octavio Caumo Serrano | caumo@caumo.com

Devemos ter dois tipos de amigos: os que nos ensinam ou nos socorrem e os que aprendem conosco ou aceitam nossa ajuda.

A vida é breve para perdermos tempo. Não somos domadores para exigir do outro, à força, o que ele não deseja fazer, aceitar ou aprender. Da mesma forma que somos como desejamos, respeitemos o livre-arbítrio das pessoas, deixando-as ser como preferem. Ninguém pode obrigar o outro a ser seu amigo, amá-lo ou a concordar com seus pontos de vista, a menos que se conscientize que a mudança lhe será benéfica. Se ainda não entendeu, vamos entregá-lo ao tempo que é um professor convincente. A natureza, a dor e o futuro mostram o que nem sempre conseguimos.

Para melhor entendimento consultemos O Livro dos Espíritos nas questões relativas aos anjos guardiães, perguntas 489 a 521, com destaque para a ampla questão 495, de autoria dos lúcidos São Luiz e Santo Agostinho, ambos de ativa participação nos trabalhos da Codificação do Espiritismo. Temos nela receita segura de qual deva ser nosso comportamento diante de alguém rebelde, que se recusa a ser ajudado.

Isso vale para um estranho, um parente e mesmo um filho, após atingir a idade adulta. Enquanto é pequeno e não tem capacidade suficiente para decidir sobre seu futuro cabe a nós encaminhá-lo, orientá-lo e incentivá-lo. Mas uma vez adulto, devemos dar-lhe o direito ao livre-arbítrio para que faça como melhor lhe pareça. Assim como o anjo da guarda, nunca deixemos de ser um ombro à disposição, tenhamos sempre o tempo que ele precisa para desabafar ou pedir ajuda, mas agora a situação se inverte. Ele vem buscar orientação e socorro quando julgar necessário e não quando nós imaginamos que ele precisa. Enquanto o sofrimento não faz a sua parte, nossos argumentos serão inconsistentes. É preciso que ele se conscientize das suas limitações e da importância da ajuda que podemos lhe dar. Caso se julgue autossuficiente, deixemos que decida por si mesmo. E se for mesmo independente como pensa, devemos comemorar. Antes de ser nosso filho, é filho de Deus; um irmão que caminha conosco nos meandros do mundo material. Um espírito individual com seus próprios direitos e deveres; plantando e colhendo como todos nós. Se ele tiver êxito ficaremos felizes. Se fracassar, terá de recomeçar as experiências todas novamente. É da Lei!

Nem sempre gozamos do respeito de nossos filhos e somos para eles competentes orientadores. É comum que queiram para si uma vida que nada tem de parecida com a nossa ou com a que lhe propusemos seguir na sua caminhada. Não é anormal que nos considerem retrógrados, atrasados e sem nenhuma inspiração ou originalidade para acrescentar-lhes algum progresso. Não somos um bom exemplo, segundo a visão dele. Paramos no tempo ou estamos na idade da pedra. Não adianta dar murro em ponta de faca. Vamos nos ferir, sem nenhuma utilidade. Como Jesus já prometeu que nenhuma ovelha do rebanho se perderá, andando mais devagar ou mais depressa, eles também chegarão ao ponto mais alto da perfeição possível aos humanos. Uns demorarão mais outros menos, mas ninguém será abandonado. Todos têm, sem exceção, um anjo protetor a inspirar-lhes no caminho do bem. Uns ouvem melhor, outros são meio surdos, mas todos chegarão ao seu apogeu.

Sabemos como isso entristece os pais, principalmente quando se sentem impotentes para guiar sua prole e ajudá-la a encontrar o bom caminho. Mas desde que fizemos o melhor que sabíamos ou podíamos, renunciando muitas vezes ao nosso próprio conforto para ajudar os filhos, Deus reconhecerá nossos esforços e nos premiará, mesmo que não sejamos bem sucedidos, pois não dependeu de nós. Não houve negligência, mas apenas impotência ou mesmo inexperiência para atingir os objetivos. Não se pode abrir a cabeça do outro e pôr dentro o que ele precisa. Mesmo porque nem sempre temos certeza do que ele realmente quer. Fazemos conforme nosso entendimento e capacidade, o que às vezes não é suficiente. O importante, todavia, é fazer o melhor que sabemos e podemos, pois teremos a consciência em paz!

É sempre muito difícil participar da vida de outro espírito que, muitas vezes, nem mesmo ele sabe bem o que deseja para si. Temos de agir como o semeador que lança a semente, mas sabe que a sua germinação dependerá da terra, do adubo, da rega, do clima e do tempo próprio de cada planta. Sabe que pode semear, mas nunca tem a certeza do que irá colher. Nós, os humanos, temos de ter a certeza de pôr a cabeça no travesseiro e conseguir dormir, porque estamos em paz com a Lei Divina.

Neste mês em que se festeja o Dia das Mães, escrevemos este recado para que elas façam o melhor que possam para seus filhos, mas não se autoflagelem se houver algum insucesso. A vontade de um termina onde começa a vontade do outro. Deus abençoe as mães, os pais, os filhos e os amigos de verdade!

RIE – Revista Internacional de Espiritismo – maio 2017

Newer Entries