Walkiria Araújo – walkirialucia.wlac@outlook.com

“Porque qualquer que pede, recebe; e quem busca, acha.” — Jesus. (LUCAS, capítulo 11, versículo 10.)

Ao lermos o capítulo 109 – Acharemos Sempre do Livro: Caminho, Verdade e Vida não podemos deixar de fazer uma correlação com o capítulo XXV – Buscai e Achareis dO Evangelho Segundo o Espiritismo. Nas duas lições fica claro que precisamos saber o que pedir e como pedir, pois sempre obteremos algo como resposta a nossa súplica, mas nem sempre compreenderemos a resposta ao nosso pedido.

O primeiro ponto a destacar é qual o interesse que está nos movimentando naquele momento? Qual o verdadeiro interesse, que habita em nós? Pois, mesmo que o nosso objetivo seja aos olhos da coletividade algo bom, mas se intimamente estejamos sintonizando com o mal, encontraremos o mal. E nos associaremos com seres que nutrem o mesmo desejo que nós naquele momento, estabelecendo assim ligações mente a mente entre as criaturas sejam elas encarnadas ou desencarnadas.

Outro ponto a destacar é que iremos sintonizar intimamente com o que intimamente habita no nosso semelhante. Podendo parecer elementar tal pensamento, mas não o é. Sendo um processo de sintonia a princípio e depois um processo de projeção. Projetamos, identificamo-nos com o outro e ultrapassamos as máscaras convencionais utilizadas. Por isso, verificamos pessoas que na aparência são diferentes, mas dão-se bem e vivem em verdadeiro regime de associação fluídica.

Também iremos identificar no outro aquilo que acalenta o nosso coração. Como exemplo, podemos citar: se nos sentimos inundados pela descrença, projetando em nosso derredor a desconfiança, sendo isto que iremos enxergar nos outros e sendo isso que encontraremos, num processo de sintonia que se estabelecerá. A projeção espelho, de forma simples, nasce desse entendimento. Não nos é proibido identificar o erro do semelhante, mas quando isto nos incomoda a tal ponto que isto passa a ser objeto de destaque e único móvel de observação com relação à outra criatura é porque estamos projetando o nosso lado sombra no outro e estabelecendo um processo de sintonia, mesmo que de forma inconsciente.

Avançando no entendimento do Ajuda-te a ti mesmo, que o céu te ajudará, contido nos itens 1 a 5 do já referido capítulo do Evangelho verificamos que a busca pelo bem é trabalho incessante para toda a encarnação. Processo que se verifica durante a caminhada evolutiva da criatura e perpassa toda a vida, entendendo aqui vida como vida espiritual do ser humano. Não basta desejarmos o bem, precisamos ser dínamos do bem. Exercermos o bem de dentro para fora, para que entremos em sintonia com o bem que vibra em nosso semelhante. Uma das razões de se afirmar que chegaremos ao Pai através do nosso próximo, criando-se uma perfeita corrente do bem, vamo-nos ligando uns aos outros até chegarmos às esferas mais altas.

“Inegavelmente, num campo de lutas chocantes como a esfera terrestre, a caçada ao mal é imediatamente coroada de êxito, pela preponderância do mal entre as criaturas. A pesca do bem não é tão fácil; no entanto, o bem será encontrado como valor divino e eterno. É indispensável, pois, muita vigilância na decisão de buscarmos alguma coisa, porquanto o Mestre afirmou: ‘Quem busca, acha’; e acharemos sempre o que procuramos.” (109, Caminho, Verdade e Vida)

Não podemos nos amedrontar diante das labaredas de fogo que estejam sobre as nossas cabeças. Dos convites mundanos, das propostas indecentes recobertas com flores e adornadas com os mais belos enfeites para nos encantar. O que deveremos observar e sintonizar será com o fundo da mensagem, seja qual for esta mensagem e esteja onde estejamos. Para não acreditarmos que é bem o mal que se nos apresenta.

Quando caminhamos para o processo de sintonia mais aprofundada, aquelas que se estabelecem através da mediunidade, verificamos que precisamos redobrar a nossa vigilância. Pois, aqueles que se avizinham de nós, enxergam-nos através das nossas emissões internas e acabam por estabelecer conosco processos de obsessão se não estivermos vigilantes. Não que a mediunidade leve a obsessão, mas todos aqueles que possuímos este canal nos colocamos com mais facilidade em ligação (em sintonia) com os desencarnados, com isso, estabelecemos com mais facilidade e de acordo com os nossos pendores vinculações com aqueles que sintonizam conosco.

O orai e vigiai nunca foi tão importante. A oração constitui-se num elo que estabelecemos com a Divindade. Nos emantamos de amor, pois através da oração abrimos um canal com as energias do bem nos envolvendo delas e passamos a discernir melhor as nossas atitudes. Assim, tornando-se mais fácil o vigiar. Vigiar os nossos atos, as nossas palavras, as nossas atitudes, mais também o que lemos, o que assistimos. Em tudo podemos escolher.

A sintonia sendo um processo de vinculação mental estabelece-se de criatura a criatura, de mente a mentes, de forma individualizada ou coletiva. É um processo simples, rápido, mas ao mesmo tempo delicado, cheio de meandros e que necessitamos estar conscientes do que estamos fazendo para não despertarmos, através desses processos de sintonia memórias que estão dormindo no inconsciente profundo e que no momento atual não deveriam ser despertas, ou pelo menos não da forma que estão sendo. Sintonizar fala muito mais fundo do que a superficialidade das relações. É o Eu interno de uma criatura que entra em contato com o Eu interno da outra estabelecendo relações e criando laços, por isso precisamos avaliar com quem estamos sintonizando.

RIE – Revista Internacional de Espiritismo – agosto 2017

Anúncios