Análises e meditações

Deixe um comentário

Octavio Caumo Serrano dia a dia de julho 18

Conselho da pergunta 919 de O Livro dos Espíritos; “Conhece-te a ti mesmo”.

Uma das minhas habituais preocupações é analisar-me para verificar como estou agindo no movimento espírita. Em relação aos outros, a mim mesmo e à casa onde colaboro com meus limitados e atuais recursos.

Também tenho cuidado com as palestras que faço quando convidado a ir numa casa congênere ou quando escrevo nos espaços que, gentil e generosamente, os veículos, espíritas ou não, me oferecem. Geralmente, temos em mente que somos trabalhadores do Espiritismo quando, sem perceber, somos atrapalhadores do Espiritismo, fazendo mais mal à nossa crença do que todas as demais doutrinas concorrentes juntas. Pretenciosos, pseudossábios, respondemos apressadamente a qualquer questionamento, sem nos dar conta que estamos aconselhando mal, provocando desacertos ou falsas esperanças. Imaginamos saber tudo sobre o comportamento dos espíritos e nos consideramos doutores em Espiritismo distribuímos ilusões.

Utilizo com frequência a expressão “não sei”, sem constrangimento, toda vez que não me sinto em condições de dar uma orientação correta. Mesmo que desagrade. Quando se fala de Jesus e as pessoas dizem que o Cristo salva, enfatizo que o homem é salvo por si próprio. O que Jesus disse é que para sermos felizes é preciso segui-Lo, porque Ele é o caminho, a verdade e a vida. Mas não prometeu carregar-nos no colo nem nos brindar com dádivas imerecidas, porque não condiz com a justiça divina.

Como espíritas aprendemos que “fora da CARIDADE não há salvação”. Kardec não disse que só o Espiritismo salva, nem que alguém mais salva, a não ser o bom comportamento e a boa utilidade do homem. Salvação individual e intransferível. Nem mãe salva filho, nem esposa salva marido. Precisamos de dois para reencarnar, mas o desencarne fazemos sozinhos, com nossas obras. Apenas amparados por Espíritos, bons ou maus!

Nunca prometi a um amigo, ou pessoa a mim encaminhada, que frequentando nossa casa espírita, recebendo passes, ouvindo palestras e estudando, teria alguma garantia de que seus problemas estariam resolvidos. Evidentemente que o Evangelho de Jesus é a grande receita para o homem libertar-se do sofrimento. Estando agora reforçado pela orientação lúcida da Doutrina Espírita, há mais condições para utilizá-lo na solução de seus desajustes e infelicidades. Mas certamente, a simples frequência a um templo, seja de que doutrina for, não garante o Céu a ninguém.

Em se tratando da nossa Doutrina que recomenda tudo oferecer de graça, especialmente o conhecimento e a mediunidade, tudo fica mais fácil de entender. Não precisamos enganar as pessoas para agradá-las com falsas promessas a fim de que colaborem com a casa. Há vezes que doações são necessárias, mas que sejam espontâneas. No nosso centro, felizmente, até agora nunca dependemos de ajuda financeira externa. Uma felicidade.

Constantemente damos oportunidade a novos trabalhadores para que se engajem na equipe da casa, deixando-os à vontade para que colabores nos trabalhos que se sintam  bem e, se desejarem, que aprendam outros trabalhos. A reencarnação se destina à obtenção de novos conhecimentos. Se só fizermos o que já sabemos sairemos daqui sem nenhum acréscimo. Perdemos tempo. E é preciso aproveitar cada minuto.

O que ninguém deve é assumir compromissos para os quais não tem vocação e habilidade, nem assumir compromissos que não deseja ou não pode cumprir com responsabilidade e prioridade. Se não quiser ser trabalhador não seja atrapalhador.

Jornal O Clarim – julho 2018

 

 

Anúncios

Diferentes cuerpos celestes

Deixe um comentário

Dice el Espiritismo que luego la Tierra será un planeta de regeneración

Octávio Caúmo Serrano | caumo@caumo.com

Clasificación de Allan Kardec define las diferentes categorías de mundos por su finalidad y de acuerdo con el cursillo evolutivo de los Espíritus que lo pueblan. Determina, igualmente, la densidad material de cada mundo, que es lo que define el tipo de cuerpo necesario para vivir en él, cual sea más pesado o más leve.

Cuando se dice que la Tierra es un mundo de pruebas y expiaciones, se presupone que ella es habitada por Espíritus imperfectos que carecen de esmero cultural, moral y espiritual. Ese defecto ni siempre está relacionado con la maldad de los seres, pero, principalmente, con la ignorancia que aún presentan. Nuestros errores son cometidos mucho más por desconocimiento de que por maldad.

Los que hacen mal de propósito son minoría en nuestra sociedad. Lo más común es alguien bienintencionado imaginar que está cierto cuando, en la realidad, actúa equivocadamente. A veces, excesivamente moralista, perjudica las personas más simples, de buena intención, y que aún no tienen condiciones de ser como él le gustaría. Exige del otro lo que ni aun él puede comprender. Para defender la disciplina, deja hasta de practicar la caridad.

Con el cambio de la Tierra de mundo de expiaciones para mundo de regeneración, un poco menos imperfecto del que está el planeta actualmente, quien anhelar vivir en la Nueva Tierra tendrá de ser bien mejor de lo que es ahora. ¿Pero lo qué significa ser mejor, según esta definición?

A nosotros nos parece que bastan algunas virtudes fáciles de ser conseguidas. Por ejemplo: honrar la palabra data como respeto al semejante, puntualidad, asiduidad, perdonar los agravios, vencer el orgullo y el egoísmo, tener paciencia. No se concibe que un espiritista, que se dice candidato a vivir en el mundo nuevo, sea liviano en sus actitudes. Asume un trabajo y no comparece para ejecutarlo; se matricula en un grupo de estudios, pero falta más de que comparece; llega habitualmente atrasado a los compromisos, incluyendo la reunión espiritista que tiene hora establecida para inicio; entre otras cosas más graves.

No se puede, igualmente, tener actitudes de extremo desequilibrio, melindre, ira incontrolada, vanidad pueril y egoísmo contumaz en aquél que se dice candidato a vivir en el mundo nuevo, en la Nueva Tierra. Así como el apego a las posiciones y honrarías del mundo que se quedan por aquí cuando marchamos porque no tienen valor.

La propalada reforma íntima y el desprendimiento de los valores terrenos, tan pregonados por el Espiritismo, tienen por finalidad aconsejarnos a ser mejores mientras caminamos. Quien no si libertar de los defectos mundanales ahora, no tendrá acceso al mundo más purificado, porque él será habitado por personas más simple, más humanas, más fraternas, cuando la solidaridad, que es excepción en el mundo actual, será la regla de la nueva sociedad terráquea.

¿Quién pueda probar qué eso es verdad y va a ocurrir realmente?

Jesucristo dijo que su reino no era de este mundo, que nosotros somos dioses y cuando quisiésemos seríamos tan buenos y perfectos cuanto Él. Completando, Kardec hace la escala de los mundos y explica que ellos se apuran como las personas y la naturaleza determina el nuevo ambiente de vida. Si nos fue advertido que deberíamos guardar tesoros en el cielo, los que son guardados en la Tierra perderán su efecto y serán imprestables para uso en el ambiente renovado del mundo de regeneración.

Para los que creen en la existencia única y que tienen en la muerte el final de la vida, aun cuando acepten la supervivencia del alma, este comentario es pueril. Para nosotros que creemos en la orientación de los Espíritus y prestamos testimonio diariamente, incluso por vasta literatura, que todo sigue un proceso de perfeccionamiento, ser negligente delante de esa posibilidad de crecer ahora puede nos costar dolores inimaginables. A quien más sea dado, más será pedido. Si tenemos el conocimiento y él representa la verdad que liberta, desairar esa advertencia será puro infantilismo; una nueva oportunidad podrá ser demorada y dolorosa.

Es bastante conocido en los medios espiritistas el episodio envolviendo el planeta Capilla, de la Constelación del Cochero. Muchos fueron extraditados hacia la Tierra para ayudar a los habitantes de nuestro planeta con sus conocimientos técnicos y científicos, al mismo tiempo en el que aprendían con los trabajos de caridad a amansar sus corazones y domar su orgullo. El intercambio es perfecto y las oportunidades son datas a los que las conquistan por esfuerzo y determinación.

No hay beatitudes para quien no merece, porque a cada uno será dado según sus obras. Si quiere morar en la Nueva Tierra, construya desde ya su hogar en el nuevo mundo. Aunque que sea, provisionalmente, un hogar fluido de característica espiritual. Más tarde, en el tiempo cierto, será materializado y le dará gran placer. ¡Es cuestión de justicia!

RIE – Revista Internacional de Espiritismo – julio 2018

Diferentes corpos celestes

Deixe um comentário

RIE 07_18

Diz o Espiritismo que logo a Terra será um planeta de regeneração

Octávio Caúmo Serrano | caumo@caumo.com

Classificação feita por Allan Kardec define as diferentes categorias de mundos pela sua finalidade e de acordo com o estágio evolutivo dos Espíritos que o povoam. Determina, igualmente, a densidade material de cada mundo, que é o que define o tipo de corpo necessário para viver nele, qual seja mais pesado ou mais leve.

Quando se diz que a Terra é um mundo de provas e expiações, pressupõe-se que ela é habitada por Espíritos imperfeitos que carecem de aprimoramento cultural, moral a espiritual. Essa imperfeição nem sempre está relacionada com a maldade dos seres, mas, principalmente, com a ignorância que ainda apresentam. Nossos erros são cometidos muito mais por desconhecimento do que por malignidade.

Os que fazem mal propositadamente são minoria em nossa sociedade. O mais comum é alguém bem-intencionado imaginar que está certo quando, na realidade, age equivocadamente. Às vezes, excessivamente moralista, prejudica as pessoas mais simples, de boa-fé, e que ainda não têm condições de ser como ele gostaria. Exige do outro o que nem mesmo ele pode compreender. Para defender a disciplina, deixa até de praticar a caridade.

Com a passagem da Terra de mundo de expiações para mundo de regeneração, um pouco menos imperfeito do que está o planeta atualmente, quem desejar viver na Nova Terra terá de ser bem melhor do que é agora. Mas o que significa ser melhor, segundo esta definição?

A nós parece que bastam algumas virtudes fáceis de serem conseguidas. Por exemplo: honrar a palavra dada como respeito ao semelhante, pontualidade, assiduidade, perdoar as ofensas, vencer o orgulho e o egoísmo, ter paciência. Não se concebe que um espírita, que se diz candidato a viver no mundo novo, seja leviano em suas atitudes. Assume um trabalho e não comparece para executá-lo; matricula-se num grupo de estudos, porém falta mais do que comparece; chega habitualmente atrasado aos compromissos, incluindo a reunião espírita que tem horário estabelecido para início; entre outras coisas mais graves.

Não se pode, igualmente, testemunhar atitudes de extremo desequilíbrio, melindre, ira incontrolada, vaidade pueril e egoísmo contumaz naquele que se diz candidato a viver no mundo novo, na Nova Terra. Assim como o apego às posições e honrarias do mundo que ficarão por aqui quando formos embora, porque não têm valor.

A propalada reforma íntima e o desprendimento dos bens terrenos, tão apregoados pelo Espiritismo, têm por finalidade aconselhar-nos a sermos melhores enquanto caminhamos. Quem não se libertar dos defeitos mundanos agora, não terá acesso ao mundo mais purificado, porque ele será habitado por pessoas mais simples, mais humanas, mais fraternas, quando a solidariedade, que é exceção no mundo atual, será a regra da nova sociedade terráquea.

Quem pode provar que isso é verdade e vai realmente acontecer?

Jesus disse que seu reino não era deste mundo, que nós somos deuses e quando quiséssemos seríamos tão bons e perfeitos quanto Ele. Completando, Kardec faz a escala dos mundos e explica que eles se aprimoram como as pessoas e a natureza determina o novo ambiente de vida. Se nos foi advertido que deveríamos guardar tesouros no céu, os que forem guardados na Terra perderão seu efeito e serão imprestáveis para uso no ambiente renovado do mundo de regeneração.

Para os que acreditam na existência única e que tem na morte o final da vida, mesmo que ainda aceitem a sobrevivência da alma, este comentário é pueril. Para nós que cremos na orientação dos Espíritos e testemunhamos diariamente, inclusive por vasta literatura, que tudo segue um processo de aperfeiçoamento, ser negligente diante dessa possibilidade de crescer agora pode nos custar dores inimagináveis. A quem mais for dado, mais será pedido. Se temos o conhecimento e ele representa a verdade que liberta, desprezar essa advertência será pura infantilidade; uma nova oportunidade poderá ser demorada e dolorosa.

É bastante conhecido nos meios espíritas o episódio envolvendo o planeta Capela, da Constelação do Cocheiro. Muitos foram extraditados para a Terra para ajudar os habitantes do nosso planeta com seus conhecimentos técnicos e científicos, ao mesmo tempo em que aprendiam com os trabalhos de caridade a amansar seus corações e domar seu orgulho. O intercâmbio é perfeito e as oportunidades são dadas aos que as conquistam por esforço e determinação.

Não há benesses para quem não merece, porque a cada um será dado segundo suas obras. Se quiser morar na Nova Terra, construa desde já seu lar no novo mundo. Ainda que seja, provisoriamente, um lar fluídico de característica espiritual. Mais tarde, no tempo certo, ele será materializado e lhe dará grande prazer. É questão de justiça!

RIE – Revista Internacional de Espiritismo – julho 2018