Octávio Caumo Serrano    caumo@caumo.com

Não falamos de umbanda, quimbanda ou candomblé. Nem poderíamos porque são doutrinas espiritualistas, não Espiritismo. Como todas as demais que acreditam em algo depois da morte, o que é próprio de todas as religiões porque todas agrupam pessoas que não são materialistas. São espiritualistas, sem ser espíritas.

Se o Espiritismo é a doutrina que nasceu em 18 de abril de 1857, com o lançamento de O Livro dos Espíritos, quando foram criadas as palavras espírita e espiritismo, neologismos que identificariam a nova doutrina e seus seguidores, só os que a praticam são espíritas. Por que perguntamos, então, quantos espiritismos existem? Porque cada um o entende de um jeito. Existe o espiritismo das federativas, o espiritismo dos dirigentes de centro, o espiritismo dos palestradores e passistas, o espiritismo do público desinformado que acredita que todos os que praticam a mediunidade ou apenas vão ao Centro uma vez por semana, são espíritas e, além de outros mais, o espiritismo de Allan Kardec. Até o dicionário do Sr. Aurélio Buarque de Holanda é falho em sua definição quando diz que Espiritismo é a “Doutrina baseada na crença da sobrevivência da alma e da existência de comunicação, por meio da mediunidade, entre vivos e mortos, entre os espíritos encarnados e os desencarnados”. Isso muitas outras também afirmam, inclusive as doutrinas afro-brasileiras. Nessa definição enquadram-se os fenômenos espirituais, apenas, porque a essência do Espiritismo, seu principal objetivo, é auxiliar o homem na sua transformação moral, estimulando-o a esforçar-se na luta contra as suas más tendências; atue ou não como médium.

Qual a razão de tantas variantes? Certamente o desconhecimento pela falta de estudo para saber o que o Espiritismo pode oferecer às pessoas. Ou seja, umas por ignorância, outras por interesse em tirar dele alguma vantagem. Dão com a direita, mas a esquerda assiste a tudo o que ela faz. Desejam usar o Espiritismo para curar-se ou livrar-se de problemas cuja solução é da alçada de cada um. Como o Espiritismo é a própria doutrina de Jesus, observemos que Ele ensinou muito mais do que curou. Não como certas religiões cristãs que ora seguem o Novo Testamento, ora o Velho, segundo capítulo e versículo que mais atenda aos seus interesses.

O verdadeiro espírita, portanto, é o que pratica a caridade em favor do próximo e, também, em seu favor, como gratidão a Deus pelo dom da vida. Não se suicida pouco a pouco com preocupações e revoltas que não lhe dizem respeito, amam e descartam o ódio. Enfim, procura ser hoje melhor do que ontem e amanhã melhor do que hoje. Crê que estamos no mundo material para solucionar problemas do passado visando o seu próprio progresso.

Fica claro que se alguém lhe disser que você está perturbado, com obsessão e precisa ir a um centro para tomar “uns passes”, não acredite. Você precisa ir a um Centro sério não apenas pelos passes, mas para esclarecer-se quanto ao que você mesmo pode fazer pela sua cura. Viva segundo os conselhos do Espiritismo, que é o próprio Cristo falando em linguagem mais atual, sem parábolas ou fantasias. “Faz que o Céu te ajuda.”

Jornal O Clarim – setembro 2019

 

 

Anúncios