Octávio Caumo Serrano

O que nos ensina o Espiritismo?

No passado disseminou-se a ideia de que a cremação deveria ser precedida de uma espera de setenta e duas horas, tempo que a alma precisaria para abandonar totalmente o corpo. Opinião encabeçada por Emmanuel, mentor de Chico Xavier.

Vamos nos socorrer de Allan Kardec. Pergunta 164. Todos os espíritos experimentam no mesmo grau de intensidade, a perturbação que sucede a separação da alma e do corpo?” Resposta, “não, depende da sua elevação. Aquele que já está purificado, se reconhece quase que imediatamente, porque já se desprendeu da matéria durante a vida corpórea, ao passo que o homem carnal, cuja consciência não é pura, conserva por muito mais tempo a impressão dessa matéria.” Na questão seguinte, foi perguntado se “o Espiritismo exerce uma influência sobre a maior ou menor duração sobre a perturbação.” E os veneráveis responderam que sim. “Uma grande influência, pois o espírito compreende, antecipadamente sua situação; mas a prática do bem e a consciência pura exercem maior influência.” Segue-se longo e esclarecedor comentário do Codificador.

Aprendemos que o desprendimento das coisas materiais é fundamental para o crescimento espiritual. “Viver no mundo sem ser do mundo” dizem os espíritos. Como cada um de nós está numa escala evolutiva, uns são mais desprendidos do que outros. Como determinar, portanto, que após setenta e duas horas todas as almas estariam livres dos laços materiais. Exemplos e depoimentos de espíritos nos ensinam de maneira diferente. Quem trabalha com doutrinação ou esclarecimento de espíritos em reuniões mediúnicas comprova que há os que se imaginam vivos mesmo após décadas ou séculos. Não se desprenderam dos laços materiais apesar do tempo, essa medida quimérica que só tem função no mundo físico para administrar a vida humana.

Para que houvesse a certeza do desprendimento total da alma do seu corpo físico, haveria necessidade de exame por um vidente. Aí outro problema. A existência e a seriedade que pudesse dar confiabilidade a esse vidente. E para os que não acreditam na vida após a morte isso não faria o menor sentido. Haveria ainda um outro perigo, o de estabelecer-se uma nova taxa para fornecimento do atestado de VCDT – Vidência Comprobatória de Desenlace Total, conferida por vidente especializado nessa prática sem a qual a cremação não seria autorizada. Mais uma fonte de renda para os aproveitadores da boa fé alheia.

Não queiramos explicar as Leis de Deus pela inteligência dos homens.  O raciocínio das setenta e duas horas, se verdadeiro, deveria aplicar-se também aos sepultamentos, para evitar enterrar pessoas vivas. Quantos letárgicos foram sepultados e ao abrir o caixão para exumação dos ossos estavam de bruços.

De todo este relato, o mais importante é sermos desprendidos do mundo material ainda em vida biológica, usando o corpo e tudo o mais do mundo físico para o crescimento da alma, porque enterrada ou cremada ela continua intacta porque ao voltar para o mundo espiritual ela é o espírito imortal que prossegue vivendo eternamente. É, portanto, indestrutível.

Quem optou pela cremação do seu ente querido não se preocupe se a alma já estava separada ou se ainda sentia desconforto diante do calor. Tudo é efêmero e rapidamente superado pela misericórdia de Deus. Guardemos sempre as melhoras lembranças da boa convivência e se mágoas ficaram que elas sejam perdoadas e esquecidas. Tudo fez parte de mais uma etapa de aprendizado.

Jornal O Clarm – novembro 2019