Walkiria Lucia Araujo Cavalcante

Ocupam os Espíritos uma região determinada e circunscrita no espaço?

‘Estão por toda parte. Povoam infinitamente os espaços infinitos. Tendes muitos deles de contínuo a vosso lado, observando-vos e sobre vós atuando, sem o perceberdes, pois que os Espíritos são uma das potências da Natureza e os instrumentos de que Deus se serve para execução de Seus desígnios providenciais. Nem todos, porém, vão a toda parte, por isso que há regiões interditas aos menos adiantados.’”[1]

Quando falamos da influência dos espíritos em nossas vidas a primeira resposta que vem em nossa mente é que os Espíritos influenciam em nossos pensamentos e atos “Muito mais que imaginamos. A tal ponto, que de ordinário, são eles que nos dirigem.”[2] Sendo que esquecemos que em tudo existe a sintonia e remontando um pouco mais, por isso que existe um encadeamento lógico das questões em O Livro dos Espíritos, temos a explicação que nem em todos os lugares (incluindo a nossa mente, já que para isso deve existir a sintonia) é permitido aos espíritos entrarem.

Se fosse de outra forma, seríamos marionetes nas mãos daqueles que fossem mais sagazes na criação divina não sendo o objetivo da Divindade. Estamos encarnados para nos reajustarmos com a Lei de fatos pretéritos, aprendermos lições novas e rumarmos para a perfeição relativa nos apresentada por Jesus. Não para sermos fantoches ou algo parecido nas mãos de espíritos que possuem como único deleite, divertirem-se com o sofrimento e angústias de encarnados.

Então, quando vemos a questão de “… ordinários, são eles que vos dirigem.” Verificamos que a marca deixada na resposta é que eles são criaturas comuns, que não são dotadas de nenhuma qualificação superior, mas que conseguem nos influenciar a tal ponto porque assim permitimos. Sintonizamos com eles de tal forma que nos deixamos guiar passivamente por sua influenciação. Iguais a criaturas que não desejam raciocinar ou decidir a roupa que irá vestir ou alimento que irá ingerir e contrata um profissional para decidir por si, tornando-se um protótipo igual a tantos outros gerados pelo mesmo profissional, desejoso de ser aceito pela sociedade que faz parte, anulando a própria personalidade e não percebendo os problemas psicológicos que está gerando para si mesmo no presente e no futuro.

Não deixamos de conviver com os espíritos. Estamos cercados por eles. Somos também espíritos. Esquecemo-nos disso. Da mesma maneira que eles interferem em nossos pensamentos e interagem em nosso mundo, nós também fazemos com relação a eles. Envolvemos tais criaturas em nossas vidas, em nossas preocupações. Mas tudo só ocorre numa relação de sintonia. Oferecemos material psíquico e emocional para que eles se nutram, eles devolvem o mesmo material enriquecido de suas emoções. Neste momento a troca se estabelece a sintonia se faz.

Não se espantem quando os quadros obsessivos se consolidam e as criaturas não entendem afirmando que não fizeram nada demais. Que normalmente, o que ocorreu é que estavam desgostosas da vida. Tudo na vida começa de maneira diminuta. Nenhum quadro começa por uma subjugação. As ideias começam pela tristeza contumaz, a infelicidade por causa desconhecida ou até conhecida, nutrida pelo nosso desejo de sermos agasalhados por quem está ao nosso redor e muitas vezes não reconhece o que estamos vivendo.

Então somos responsáveis pelo início do processo. Nem todos, porém, vão a toda parte, por isso que há regiões interditas aos menos adiantados.” Os espíritos mais elevados conseguem perscrutar os nossos pensamentos, até porque o intuito é nos ajudar. Os iguais a nós ou inferiores só se nós permitirmos através da sintonia. Entendido isso, conseguimos estabelecer um parâmetro limite de quem ou não pode sintonizar conosco.

Mas como nos mantermos em guarda e fazermos esta sintonia? Através da leitura edificando, da mentalização, da boa música, dos bons pensamentos, da conversa que nos engrandece e das boas companhias. Sem nos esquecermos do Evangelho como vivência diária e da prática da caridade. Mas viver tudo isso é complicado! O Mundo está complicado. Entendemos, porque estamos encarnados neste mundo também. Mas seria muito mais complicado se não tivesse o apoio e o subsídio de todos estes recursos e para aqueles que duvidam e não fazem uso, sugerimos: comecem a mudar os pensamentos. Estabeleçam uma rotina diária de boa leitura. A forma como vocês sintonizarão com tudo e com todos será diferente. É um processo que depende somente de nós!

Jornal O Clarim – dezembro 2020


[1] Livro dos Espíritos, questão 87

[2] Livro dos Espíritos, questão 459