A História

 
 
 
 
 
 
 
 

A História dos Essênios

Conheça os Essênios 
 
  • Quando surgiram
  • Notícias históricas
  • A Aliança com Deus
  • Ordens e Afirmações
  • Princípios
  • Organização
  • O  Messias
  • Origem dos Cristãos
  • Relatos Mediúnicos
    • Os Essênios são como santos que habitam em muitas aldeias e vilas da Palestina. Não se unem por clã familiar ou por raça, mas sim por meio de associações voluntárias formadas com o intuito de melhor praticar a virtude e o amor entre as criaturas.
    • Nas suas casas jamais se houve grito ou tumulto. Cada um quando fala cede a palavra ao outro. Este silêncio causa grande impressão no visitante.
    • Sabem moderar a cólera e conservar o equilíbrio. Cumprem a palavra e sustentam a paz. O que dizem vale mais do que um juramento. Aliás, consideram o juramento um sacrilégio, porque só precisa jurar quem é mentiroso.
    • Os que entram para a comunidade se comprometem a não prejudicar ninguém, a ser fiel com todos, especialmente com os que têm poder, uma vez que ninguém ocupa cargos sem que seja pela vontade de Deus.
    • Vivem muitos anos, alcançando facilmente os cem, possivelmente pela regularidade de vida. Suportam a dor fazendo-se fortes contra ela. Sabem que o corpo é perecível, mas que a alma é imortal, vivendo no éter, de onde é atraída para se ligar aos corpos como se estes fossem prisões. Separam-se da carne, libertam-se e elevam-se.
    • Muitos podem prever o futuro e é raro que se enganem nas previsões.
    • Muitos não se casam, porque acreditam que o matrimônio é um impedimento à vida simples. Outros, porém, afirmam que os que não se casam recusam a melhor parte da vida que é a propagação da espécie.
    • A opinião do povo a respeito deles é que são pessoas irrepreensíveis e excelentes.
    • Eles se parecem com monges, estão sempre vestidos de branco, com franjas azuis. Suas ocupações são de índole prevalentemente espiritual, com vistas à pureza pessoal e ao trabalho pelas comunidades.
    • Usam o Pentateuco (O Livro Sagrado) como base o qual utilizam com muito respeito. Afastam-se do mal e unem-se no Torá (O Livro) e nos bens. Obrigam-se por compromisso solene a avançar no conhecimento.
    • Eles dão destaque aos instrutores, mas exigem que esses sejam igualmente superiores nos costumes e nos exemplos. Que pratiquem a Justiça, a Verdade e o Direito, mantendo ânimo afável e modéstia. Que se mantenham do espírito contrito, expiando as próprias faltas, pela prática da Justiça.
    • O poder do instrutor independe de preparo cultural. Assim, se não for capaz de ensinar exemplificando, qualquer leigo poderá desempenhar as suas funções.
    • Relatos mediúnicos admitem que a titulação – essênios – seria derivada de Essen, filho adotivo de Moisés, a quem o legislador entregou o seu acervo para que desse continuidade à sua obra. Quanto ao fundador da comunidade, sabe-se apenas que era conhecido como “Mestre da Justiça”.
    • Jesus censurava a conduta dos fariseus, como fazia João Batista e os essênios. A forma de expressar-se de João Evangelista, Pedro, André, Natanael, era a forma comum entre os essênios;
    • Os essênios pregavam mansidão e humildade, para ser agradáveis a Deus. Foram esses os exemplos dados por Jesus.
    • Os essênios ensinavam o amor ao próximo como a si mesmo. Jesus ensinou que o amor é o mais importante entre as criaturas.
    • Os essênios falaram de um “juízo final” pelo fogo, o mesmo que ensinou Jesus.
    • Os essênios pregaram o “espírito da verdade” e a “vida eterna”. Foi o que ensinou Jesus.
    • Os essênios falaram de um fundamento que não seria abalado. Jesus disse a Pedro que ele seria a rocha que não seria abalada.
    • Os essênios têm os Hinos das Bem-Aventuranças, idéia central de toda a doutrina de Jesus.
    • Os essênios se definem como membros da Aliança igualmente como se diziam os discípulos de Jesus. No Qum Ran, onde viviam os essênios, o Conselho era formado por doze membros, como foram doze os apóstolos. A divisão do pão e do vinho pelo Superior, às refeições, lembra Jesus.
    • Punham seus bens em comum, como aconselhou Jesus ao moço que o procurou: “Se queres ser perfeito, vai, vende todas as tuas coisas e segue-me.”
    • Jesus manteve o hábito do batismo, prática normal entre os essênios.
  • Conheça os Essênios.

    Após a descoberta dos documentos do Mar Morto, na região do Qum Ran, ao sul de Israel, muitas afirmativas de historiadores do início da era cristã foram confirmadas.
    Atualmente, os escritos originais da comunidade essênia, contendo as suas leis, cânticos, hábitos e normas de vida comprovam o que foi posto em dúvida por muito tempo e mereceu pouco crédito por parte dos cientistas e dos religiosos.
    A partir do ano de 1947, e prosseguindo até os dias de hoje, as pesquisas se desenvolvem e já é grande a literatura que trata dessa rara e ocasional descoberta. O fato ocorreu, quando um jovem beduíno na captura de uma cabrita desgarrada, penetrou em grutas nas montanhas da região e ali encontrou vasos que continham informações sobre um povo que ali vivia.

    Este pequeno relato sobre os Essênios, que ora apresentamos, dá uma idéia geral sobre a vida daquela comunidade e busca despertar o interesse de todos para que conheçam um pouco mais sobre ela, já que é grande o número de pessoas que tem curiosidade em saber quem são ou quem foram os Essênios.

    Quando surgiram

    Estamos na Palestina, na Terra dos Profetas, entre o primeiro século antes e o primeiro século depois de Jesus, onde se operam grandes movimentos religiosos.

    Agrupamentos diversos nascem da massa popular.Ai vamos encontrar os zelotes, sicários, galileus, nazarenos, batistas, levitas e outros grupos que nasciam por força de suas aspirações religiosas.

    Entre esses, um outro grupo, do qual já se tinha referência antiga, desde o velho Egito, floresce às margens do Mar Morto, nas proximidades de Jericó. São os Essênios.

    Entre os anos 150 aC e 70 dC, aproximadamente, eles foram bem identificados, já que viviam isolados das demais comunidades e afastados da opulência de Jerusalém. Preferiam o deserto da Judéia.

    Ficaram pouco conhecidos até o encontro dos documentos da Qun Ram, a partir de 1947. As ruínas de cinco mosteiros no deserto da Judéia são o marco da sua existência em passado distante, além dos outros mosteiros dispersos por diversas regiões da Samaria e Galiléia.

    Notícias Históricas

    Alguns pesquisadores famosos falam sobre os Essênios.

    Entre eles, destacam-se Filon de Alexandria, que afirma:

    Aliança com Deus

    Os essênios não concordavam com os doutores das leis, que lideravam no Templo de Salomão, quanto ao sacrifício nas oferendas no altar da raça. Preferiam os rituais do batismo e o respeito aos alimentos, que purificavam e comiam sempre em lugar especial. Serviam pão e vinho, embora ocasionalmente comessem carne.

    A cadeira principal, deixavam sempre vazia. Reservavam-na para o Messias, que esperavam.

    Eram pacíficos.

    Seus bens eram postos em comum e exigiam uma unidade doutrinária.

    Só falavam de uma espécie de guerra: a dos filhos da Luz contra os filhos das Trevas, ambos muito fortes empenhados em luta constante que se trava no interior de cada criatura.

    Embora descendentes dos hebreus, desligaram-se das festas tradicionais do judaísmo, como a da Páscoa, dos Tabernáculos. Transformaram sua vida em vivência litúrgica e não se detinham nas inutilidades.

    Viviam numa simplicidade muito rara entre as pessoas, em todas as épocas.

    A idéia de Aliança com Deus é profunda e rica entre os essênios, sendo, como realmente o é, o centro de toda a Bíblia, porém no seu aspecto mais rico, ou seja, a Aliança como expressão de amor.

    Ordens e Afirmações

    Podemos encontrar os essênios em duas diferentes ordens: uma de vida monástica, junto ao Mar Morto e outros mosteiros e outra dispersa por toda a Palestina, Ásia e Alexandria, formando grupos de dez filiados, cada um com um dirigente.

    Os grupos próximos têm alguma interdependência, chegando a somar cinqüenta ou cem.

    No campo religioso, eles representam o não conformismo típico, que combina uma inquietude interior com disciplina quase fanática. São comparados aos primeiros cristãos.

    O Rei da Prússia, escrevendo a Voltaire, afirma: “Jesus foi um essênio.”

    Gratz, em sua obra, afirma: “João Batista era essênio.”

     Edmund Wilson, jornalista do New York Times, em série de reportagens sobre os documentos encontrados em 1947, escreve: “O Convento, esse prédio de pedras junto às águas amargas do Mar Morto, com seu forno, seus tinteiros, túmulos e piscinas sacras, é, talvez, mais do que Belém e Nazaré, o berço do cristianismo.

    Princípios

    Os essênios ensinam a piedade, santidade, vida familiar e vida civil.

    Ensinam a não jurar e a não mentir.

    Crêem que o homem é a causa de todo bem e de nenhum mal.

    O amor da virtude compreende desprendimento da riqueza e estabilidade de tudo o que assegura bons costumes.

    O amor aos homens exige benevolência, igualdade, concórdia.

    Ninguém possui uma casa que não possa ser comum.

    As vestes podem ser usadas por todos. O alimento para todos é igual.

    Os doentes sem recursos não ficam sem cuidados. Eles têm em comum o que é necessário para tratá-los.

    Respeitam os velhos e deles cuidam com suas próprias mãos, como filhos agradecidos, ainda mesmo quando não sejam seus próprios pais.

    Habitam em aldeias, evitando as cidades pelas injustiças a que seus habitantes estão acostumados.

     Alguns trabalham na terra e outros nas artes, tornando-se úteis a si e a seus vizinhos. Não se preocupam em ajuntar prata nem ouro, nem grandes parcelas de terra para aumentar os seus ganhos, contentando-se com o que lhes forneça o necessário para a vida.

    Consideram grande abundância  ter-se poucos desejos e fáceis de ser satisfeitos.

    Não há entre eles fabricantes de armas de guerra.

    Entre eles não há escravos; todos são livres; uns ajudam os outros. Condenam a escravidão não somente porque destrói a igualdade, mas porque atenta contra o direito da natureza que, como boa mãe, faz os homens irmãos, não apenas no nome, mas na realidade.

    Desprezam a lógica e as palavras complicadas como inutilidades para adquirir virtudes. Preocupam-se, no entanto, com a física e com a astronomia, quando estas ensinam a existência de Deus e a origem do Universo.

    Tem grande cuidado com a moral, tomando como guia a lei dos antepassados.

    Nos fins de semana estudam muito. Um lê livros e o outro, entre os mais preparados explica aquilo que não foi facilmente entendido, dada à simbologia usada nos ensinamentos.

    Organização

    Os essênios renovaram no deserto de Judá, a experiência vital da antiga peregrinação israelita nas planícies do Sinai. Sua vida faz recordar o profeta Isaias (40:3) Voz que clama no deserto, preparai os caminhos do Senhor.

    Entre os essênios estaria João Batista.

    Historiadores da época assim se referem aos essênios:

    O Messias

    Antes de ser encontrados os manuscritos do Mar Morto dizia-se que todo povo judeu aguardava o Deus exclusivo da Palestina. Contudo, após as revelações dos documentos soube-se que foi entre os judeus essênios que pela primeira vez se ouvira falar na vinda do Messias Universal que será Rei, mas que todas as nações desfrutarão.

    O cristianismo nascido nesse período essênico sofreu as influências dessa época. Está patente, portanto, que os essênios foram os que mais participaram na formação dessa doutrina, o que pode ser visto por  sua conduta e também pelas instruções, que eram as que mais se assemelhavam àquelas ensinadas por Jesus.

    Os essênios se espalharam por toda parte, mesmo sem pertencer aos grupos definidos, afiliados apenas por costumes e religiosidade.

    O tema central essênio foi sempre a Aliança, vivendo com profundidade a gratidão. Sentem a manifestação de Deus não somente a propósito deles, mas de todos os homens do mundo.

    Poucos respeitam tanto a Aliança com Deus como os homens desses grupos.

    Origem dos Cristãos

    Hempel, 1951, escreveu: Esclarecida a origem dos cristãos. O cristianismo é apenas essênio. Essênio ou cristão dá no mesmo.

    Na terminologia, usos e costumes, características, notam-se grandes semelhanças entre cristãos e essênios. Por exemplo:

    Ambos, essênios e cristãos, respiram o mesmo clima de uma única matriz.

    Toda a história de Israel, sua evolução religiosa, é a base do Novo Testamento. São derivados do mesmo tronco.

    Podemos afirmar, com segurança, que os essênios prepararam o terreno para a sementeira e o desenvolvimento do cristianismo. Assim a gratidão dos cristãos por terem eles facilitado o caminho.

    Observa-se agora, que os que quiseram ser os filhos da Luz e viver como tal, se apagaram quando chegou Aquele que é a Luz Verdadeira, embora sem o terem percebido. Mas mesmo depois que Jesus inaugurou no Calvário a era de redenção, ainda por quarenta anos o vento carregou as orações dessa comunidade.

    Invadidos um dia pelas Legiões Romanas, apressadamente os essênios esconderam nas fendas e nas grutas da região os seus escritos. Foram eles, nessa invasão, dispersados ou mortos para não mais voltar à sua comunidade de trabalho e oração, que agora descoberta, põem nova luz na história das religiões.

    Tinham, porém, já cumprido a vocação, segundo Isaias: “No deserto preparai os caminhos do Senhor.”

    Relatos Mediúnicos

    Informam os Espíritos que atualmente no plano imaterial, a Comunidade Essênia teria sua sede no Monte Nebo, sob o comando de Hilarión, tendo como atividade principal o estudo e a divulgação do Evangelho, para testemunhos permanentes.

    No Brasil, trabalhariam conjuntamente com Ismael, a fim de sedimentar na Terra do Cruzeiro, após muito esforço, renúncias e sacrifícios, o coração do mundo para ser a Pátria do Evangelho.

    Este relato é  modesta homenagem do Centro Kardecista “Os Essênios” a esses nossos irmãos que nos antecederam na cronologia da história dos homens e a quem tanto devemos para prosseguir no estudo, entendimento e vivência das lições do Mestre Jesus, Este sim o verdadeiro Caminho, Verdade e Vida.

    Centro Kardecista “Os Essênios”
    Av. Esperança, 1213 – Manaíra
    João Pessoa – PB
    CEP 58038-281

    caumo@caumo.com

    fone 83-3247-9070

 

%d blogueiros gostam disto: